domingo, 29 de março de 2009

O que sinto...


O que sinto? Ódio... a morte poderia me levar à minha própria tragédia...
Queria dar a minha vida e vender a minha alma.
Apenas para sair desta alucinação...
Quem são vocês que me machucam?
E que devoram meu coração lentamente?
Eu simplesmente... Os agradeço... Estão me fazendo um belo favor.
Devorem-no sem dó...
E então... Finalmente eu serei um ser que nada sente.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Estou apenas doente...


Eu realmente não poderia te deixar ir
Quando puder, volte para mim... É quase fácil.
Eu não sou louca...
Eu apenas estou doente.

Estou sozinha neste mundo inútil.
Ainda vivo... Pois te espero... e continuarei a esperar...
Olhando para o céu todas as noites...
Eu esperarei até nossas estrelas aparecerem.

A dor está forte... E as crises só tendem a aumentar.
Até quando poderei esperar?
Até quando poderei agüentar?
Meu desespero volta... Todas as noites... Quando penso.

Não, eu não sou louca
Estou apenas doente...

Eu fui verdadeira enquanto viva...

Eu vou te esperar nas profundezas do inferno
Volte para o inferno minha cara e diga que também estarás esperando por mim..

Tantas vezes já tivestes meu Adeus...
Eu desisti, mas enxerguei que és uma das minhas curas...

Não, eu não sou louca...Estou apenas doente...

Não poderei dizer que este sentimento maldito será para sempre...
Mas acredito que enquanto durar...
Será infinito...(...)24/03/2009

quinta-feira, 19 de março de 2009

Por um momento distante...


Achou que poderia olhar em seus olhos...
Olhando as lagrimas caírem lentamente do céu avermelhado...

Tão doloroso...Sentia sua pele rasgar,
Não era por uma dor material...
Uma dor sem nome...

Suplicava que o esquecesse...
Não queria mais nenhuma lagrima caída no chão,
Por sua alma sem valor...

Tão longe estavam um do outro,
Suplicava pela própria morte...
Não queria mais amar, mas nunca esquecer...
Embora se sacrificasse para entende-la.

E mesmo não conseguindo amá-lo
O matava dizendo que poderia
Andando sozinho nas trevas,
Não queria matar... nem odiar...

Chorava como uma criança
Apoiado em paredes escuras
Que o faziam cair em seu próprio abismo sem fim.

Não era por uma dor material...
Mas sim a dor de fechar os olhos
E não poder tocá-la, nem sentir sua presença.

Apenas lembrar do que nunca viu... (...)11/03/2009

Todos os sorrisos são como estacas em meu peito


Fechar os olhos me faz ver o que quero ver
Faz-me enxergar todos os sonhos que quero ter
Faz-me feliz... Tão feliz...

Abro os olhos...
Quem és tu?
Usas uma mascara...
Que me faz decair a cada momento para o meu abismo.

O céu com sua chuva, caem como lagrimas
Caem em meu corpo como espinhos
Espinhos que me machucam...sem pena...
Sem piedade...

Continuo morrendo pouco a pouco
Lentamente sinto minha alma apodrecer...
Esta minha vida fútil, está se identificando
Simplesmente com uma montanha russa decadente...

Tire sua mascara e olhe em meus olhos
O dia chegará e queimará minha alma
Com suas mentiras, com o seu medo...

Eu não lutarei...
Desta vez te deixarei ir, seguirás sem mim...
Lamente, eu não morrerei em seus braços...
Não soltarás nenhuma lagrima...
Saiba que tivestes meu coração a maioria das vezes...
Me dê seu Adeus... (...)

terça-feira, 10 de março de 2009

“sofrendo pouco a pouco.. Lembrando da presença que nunca poderei sentir. A presença que um dia poderá me matar.”


Agora eu vejo, não sabia que fechar os olhos poderia me matar
Poderia vê suas belas flores
Ver quem eu quero ver
Ver quem realmente és
Posso vê-la entrando em mim lentamente.

Mas não posso trazê-la aos poucos para a realidade
“e que a matança comece”- ela disse...

Eu poderia matar todos eles, poderia esquecer todos eles e devorá-los
Eles poderiam ir e não voltar...
Poderiam me esquecer, me deixa parti com um sorriso...
Ou
Simplesmente, eu poderia abraçá-los
Esperar que acabassem apenas como sonhos que se foram.

“e que a matança comece”-ela disse

Fecho meus olhos,
Sonho...
E morro novamente.

domingo, 8 de março de 2009

A cura II


- Já é o fim meu amigo, é o fim de um começo.
É o fim de um desejo intenso.
O fim de um sofrimento contido por pouco tempo.
Mas existe o fim?

- Existe. Claro que existe, se não existisse o passado jamais teria acabado.

-a vida é escura meu amigo.
A vida é um inferno que já não quero viver.
Pois esta coisa chamada vida é apenas dor.

- É amargurado. É apenas o abismo criado pelo próprio ser (você).
O preto do céu é apenas uma identificação de uma vida magoada
Seu próprio sangue é a dor.
Suas lagrimas nada representam. Pois todas que caem são todas invisíveis.
Minha cara, tudo acaba e tudo se esvai.
Tudo vai embora com uma simples despedida... Lamento.

-Como posso desejar algo que não existe?
Como fazer tudo isso virar realidade? Estou vivendo um pesadelo.
Não mais um sonho...

- Para que? Para que desejar? Se sofres cada vez mais.
Achas que nada tem fim, se pensares sempre assim, jamais terá.
Para que trazer para sua realidade?
Sua realidade é cruel.
Sua realidade é uma mentira. Então para que trazer seu desejo para a realidade,
Para as trevas, para o esquecimento?
Minha cara, não viva um pesadelo se ainda tens uma vida. Viva o sonho pois lá, você sorri, és feliz. Cuidado com estes pequenos sonhos, pequenos desejos, pois sonhos e desejos também viram pesadelos.
Voe sobre as trevas sem medo de quebrar suas asas...
Se um dia realmente caíres... morrerás em paz...
Adeus.
(...) 26/02/2009

terça-feira, 3 de março de 2009

Medo


O medo de voltar-se ao passado
O medo de sofrer, o medo de amar.
O tempo passara tão rápido.
Escurece mais rápido.

Já era tudo tarde de mais.

Apenas procurava pela presença de alguém,
O desespero tomava conta do seu ser.
Já não conseguia viver sem aquela maldita presença.
Amar?
Ainda não.
Suas lindas flores estavam apenas começando a morrer.
Já sentindo aquele sentimento chegar pouco a pouco.

E agora?

Nada poderá ajudar-lhe.
Deu seu coração, seu sangue mais uma vez.
Caminhando nas estradas sombrias das trevas,
Sentia tudo se rasgando por lembranças suicidas..

E esperava tudo novamente passar..
Com lagrimas de sangue em seus olhos.

Pois sabia que é apenas uma névoa seca que sobra no final.
Pois nada é para sempre.

domingo, 1 de março de 2009

Minhas lágrimas caem, meus olhos começam a gritar por socorro e choram até fazerem um rio de lagrimas involuntárias, cheias de dor e desespero.


O fim de uma vida perdida e fútil, é o que todos esperam..

Eu não amo a dor. Mas sou amiga
Sinto-a como se fosse infinita, quase nunca tem um fim.
O que esperas de mim, meu anjo triste?
Que eu sorria sempre? É impossível, lamento.

Conforme-se com meus dias,
Conforme-se com meus fingimentos,
Conforme-se e chore comigo.
Sofra e morra comigo.

Mate-me com suas mentiras,
Faça com que eu acredite em todas elas,
Até que eu fuja da realidade e comece a viver um sonho
Para ficarem na memória,
Até que sejam devoradas pelo esquecimento.

Deixe-me partir.
Voar, quebrar minhas asas e provavelmente sobreviver.
Infelizmente.
Mas não me deixe morrer só.

Eu preciso da sua presença
Mas não preciso do seu amor
Posso ir sem este doce e amargo amor.

Não esqueça que um dia em que meu amargurado coração bateu..
Fechei meus olhos e vi seu rosto..eu te guardarei em meu coração.
(...)