quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Dizia ele sentado no meu all star vermelho, que seu grande amor usava um vestido branco, seus cabelos eram lisos enfeitados com um laço preto feito de plástico. Ela era fria. Era meiga. Era única. Seu gosto adormecia cada articulação de seu corpo, cada músculo, cada veia, cada artéria, cada lembrança, cada tristeza, cada decepção e qualquer história que teria no agora.

Dizia ele sentado no meu all star vermelho que se estivesse vivo, amaria no mesmo nível bruto e louco cada pedacinho daquele vestido. Cada pedra de enfeite. Cada olhar e risco que correria.

Dizia ele sentado no meu all star vermelho que ela era o vicio para a vida toda. Em cada noite e cada hora enquanto estava com ele. Uma pena ele não poder apresentá-la ao mundo. Uma pena ele dilacerar-se em arrependimento quando não conseguia dormir. Ela não dava a ele uma boa noite de sono.

Dizia ele que tomou uma dose maior dela todos os dias para que ela não o esquecesse. E a cada dose, ele fechava os olhos e a deixava tomar conta do seu corpo inteiro, ela cuidava dele, ela salvava ele. Ele tremia.

Disse ele que morreria por ela de novo, de novo e de novo.Porque ela nunca prometeu que não iria matá-lo.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Oi, velho.
Só gostaria de te contar que eu conheço bem essa história,
Diferentemente das outras, é curta,
Não dá nem em uma página,

Ela foi imensa quando quis.
Ela é infinita quando quer.

Só quero te escrever que eu sei cada caminho dessa história
A qual não sou eu quem escreve,
A qual me surpreendeu quando foi escrita

Era certo quando era mais que sonho,
Era errado quando eu peguei a caneta e quis terminá-la.

Mas, percebi que essa história tem que terminar quando quiser
Por vontade própria,
Sem obrigação,
Pois, também, diferentemente das outras,
Eu não sei quando, onde ou como acaba.
Sei que talvez eu goste de ser uma das personagens principais

Seria o fim? Ou o início? Ou o meio, apenas?
Ou continuará sendo infinita?

Me surpreenda.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Se há direito ao grito, ENTÃO EU GRITO

Eu diria infinitamente,
Seja dentro de um avião,
Seja escutando músicas novas (bem novas, para mim)
Seja acalmando meu estomago,
Sim, ele te ama.

Eu diria infinitamente...

Seja tendo a ansiedade como inimiga
Seja longe,
Seja perto,
Seja mais longe ainda,
Seja minha cabeça virada de cabeça para baixo,
Seja o mundo de cabeça pra baixo.

Eu diria infinitamente...

Seja com mil obstáculos para enfrentar
Seja com mil obstáculos para te esperar
Seja te desejando aqui,
Mesmo significando que eu te espere até o fim do mundo.

Seja te fazendo carinho,
Seja olhando nos teus olhos,
Seja dizendo no teu ouvido,
Seja dizendo com os meus lábios nos teus,
Seja te convidando para uma última dança.

Seja, finalmente, te encontrando,
Eu diria infinitamente...
Eu te amo.

"I think that when you have a connection with someone, it never really goes away, you know? You snap back to being important to each other because you still are."