quinta-feira, 31 de março de 2011

Os últimos minutos


As noites passam e lembro-me daquelas imagens, só imagem que o tempo trás, mas não me faz necessitar voltar, é só saudades. Hoje, como um dia simples, olhei pela janela do ônibus, olhei o céu...

Olhando o céu vermelho e a chuva, lembro dos olhos que me visitam enquanto estou dormindo...
Aqueles olhos que brilham ao ver a calma, ao ver calado o que já passou.
Não é somente um adeus,
Aquelas águas escuras mostram o quanto chorei,
O céu mostra as feridas que estão cicatrizando,
Cada dia que passa é definido como vitória e você chora...

A manhã era de sonolência e de perguntas sem sentido,
Lembro-me de quando estava ao lado do melhor amigo,
Do melhor amante,
Lembro-me da tua idealização...
Eras um anjo perfeito que vivia nos meus sonhos,
Não é somente um adeus...

Hoje como um dia simples,
Vejo o que tu foste, e como minha vida mudou,
Fiquei louco, fiquei amargo...


"Nunca soube que fechar os olhos poderia me matar"

Foi a ultima vez que abri os olhos para ver teu sorriso...
Agora os fecho...
Sentindo que o dia simples me trás lembranças...
Do anjo que foi e nunca mais voltou...
E tudo foi real, mas esperei para ser morto novamente...

Não é somente um adeus...
São os últimos minutos do dia, do mês... E das minhas saudades.
Quanto tempo mais agüentar?

sábado, 26 de março de 2011

Porque eu quero voltar pra casa...


Eu admito que sinto saudades...
Por que negar este sentimento?
Tão traiçoeiro
Que vai, que volta
Pena que volta e fica, e não quer ir embora...

O porque?
Porque eu queria voltar para casa..
Porque eu gostaria de te ver,
Ver teus olhos brilhando ao me ver
Tão apaixonados...

Queria voltar para casa...
Para poder ver o teu sorriso.
Sei que pode ser uma queda..
Pois que seja...
Me jogo agora de um precipicio aos teus pés...

O porque?
Porque eu sinto falta.
E admito que não é só de ti...
Sinto falta do coração que eu tinha...

Eu admito que tenho saudades.
Muitas saudades.
Do teu corpo que nunca toquei...
Da tua alma que nunca senti...

O porque disso tudo?
Porque quero voltar pra casa...
Sinto falta...

O porque?
Porque querendo ou não.. eu ainda te amo.

Nostalgia


Incrível o poder da lembrança, que mexe com a cabeça e o coração. Sem querer, machuca e deixa a realidade fluir. Destrói os olhares mais fortes, tira e nos mantém no abismo. Aquele escuro e triste abismo. As doses cheias de calma e empolgação, as noites proibidas pensando em ti. O céu que combinava com cada sensação surreal, cada sentimento verdadeiro, a cada desespero uma destruição...
Chegando o amigo de todos que não tem convite para entrar. Cheio de tristeza e felicidade: a saudade.
O trio que se separou pelo tempo, as lágrimas que se foram pelo próprio sofrimento e orgulho. A mente chega a ir a mil anos atrás, lindos anos, que passa rápido, mas não vai embora. A incrível tristeza que volta com facilidade, e fica, faz sentir que voltou no tempo sem perguntas nem respostas.
Branco...
A pura inocência de quem ama, de quem sai de um amor e vai pro outro, que vai contra as marés agitadas da vida para proteger e ficar com seus amigos, na chuva, na noite, no sol e na tempestade... o que nunca se separaria se não fosse o tempo. A saída do tempo escuro para as trevas, um amor começa e vai até seu limite.... "Nunca se arrepender..."
Azul...
Tempos escuros, sem muitas historias. Ida de um amor sem limites, sofrimentos sem sentido e sem fim, a vinda da felicidade instantânea, muitos amigos, lembranças de quantos sorrisos dei, para cada um, por fim, se fosse escolher hoje, não trocaria nem um daqueles que me ouviram e faziam parte do dia a dia por um amor..." Sim... eu me arrependo.."
Peguei o tempo com minhas próprias mãos e o abracei como o melhor amante da vida, como a melhora dança, como o melhor amigo, como o abismo, como o amor... Como todas as lembranças de uma vida com as idas e vindas do mundo... O tempo é como o adeus... Nunca mais volta... Os melhores sempre vão embora, e agora...

Estou no Espírito vulgar...
Sem os melhores, sem amor.. Sem adeus... Eu vou seguindo em frente com o novo tempo que está vindo...

E é simples assim diários cheios de poeira sempre deixam o pobre coração em pânico...

domingo, 13 de março de 2011

Autentico Domingo

É tão estranho explicar o sentimento que vem tão perfeito como esse. Domingo masoquista ao ver dos outros, e perfeito a meu ver. Em poucas palavras, domingo autentico é aquele que me deixa em paz, que me deixa leve e solta a todas as magoas da vida, todas as dores que me apresentaram.

Eu já desejei que toda aquela dor voltasse, aquela dor sem calma, aquela que me queeimava em febre, e nem perguntava se eu estava pronta. Mas, nem a dor é igual, tudo muda um pouco, sempre vem um pouco mais forte um pouco mais fraca e assim fica sem graça. Mas hoje, esse sentimento com essa melancolia toda, a febre que não é forte mas queima, o silencio, eu não quero compartilhar com ninguém...

Em dias assim... Eu sinto o vazio que prefiro não preencher. É o vazio que prefiro manter, não quero correr atrás... e assim vou em paz. E são dias assim... Dia de chuva, dia de sol, que eu me lembro de você... E o que eu sinto não sei dizer...

segunda-feira, 7 de março de 2011