sábado, 30 de abril de 2011

O melhor dia de 2011


30 de abril de 2011

Se você pensa


Se você pensa que vai
Fazer de mim
O que faz com todo mundo
Que te ama
Acho bom saber
Que prá ficar comigo
Vai ter que mudar...

Você tem a vida inteira
Prá viver
E saber o que é bom
E o que é ruim
É melhor pensar depressa
E escolher antes do fim...

Daqui prá frente
Tudo vai ser diferente
Você tem que aprender
A ser gente
Seu orgulho não vale
Nada! Nada!..

Você não sabe
E nunca procurou saber
Que quando a gente ama
Prá valer
Bom é ser feliz e mais
Nada! Nada!...

sexta-feira, 29 de abril de 2011

terça-feira, 26 de abril de 2011

A.C



Espero que esse anjo tenha aprendido algumas das meras palavras que soltei,
Por toda raiva que desperdicei por não estar feliz, ela não estava feliz,
Se olhasse pro meu coração, sentiria o infinito e intenso amor por esse anjo,
De amizade, de saudade, cheio de raiva, magoa, e perguntas como por que?
Se correr atrás, se morre no chão da esperança...

Pois minhas ultimas palavras para a sua pobre alma é..
Nunca vale a pena sofrer tanto... por um único ser...
Tu nunca, nunca ganhas nada...
Ama o que tu realmente tem, ama o que realmente te dá valor...
Se sofres... Abrace a dor... Mas nunca se apegue a ela..

E lembra...
Que são só fases duradouras feitas para passar...
Com essas palavras rudes, peço-te desculpas,
Mas nunca esqueça que sou um que te dá valor, pelo jeito que és e pelo jeito q levas a vida...
Não desconte na vida o que te faz mal...
Essas são minhas ultimas palavras...
Eu te amo, e és uma irmã que eu gostaria de ter.
Parte do meu coração é teu!

Feliz dia 26 de abril.

domingo, 24 de abril de 2011

The Letter for Lady of pain


Aqui estava sentado olhando o vazio. Perguntou-se sobre o tempo que passou. Fechou os olhos e viu o pequeno garoto perto do escuro, guardando os sonhos que sobraram, sangrentos, sem vida. O pequeno menino que construiu um mundo, baseado em pequenos castelos no alto dos céus, seus olhos brilhavam a cada dia por te conhecer, suas noites pareciam um coração perdido, cheio de sonhos e perdição te querendo por perto.

Final de tarde e o teu primeiro “olá" chegou aos meus olhos. Foi amável e bela, e a pessoa mais diferente que entrava na porta que já estava fechada. Te imaginava com um vestido preto rasgado, com os olhos fechados ou então, bem intensos olhos no fundo da minha alma. Aquela quinta foi feita de poesia e um coração palpitava por amor. Dali, o garotinho tirou um sorriso que jamais vira.

Era você que ele esperava, esperava no inverno, e nos dias escuros de domingo. E você soltava apenas lágrimas de mentiras sobre a cabeça inocente que se entregava. Ele só queria dizer que ainda te tem em sonhos, além de tudo, ele te pede para que guarde o sonho que foi, os sonhos que você teve e que um dia desejou... Ele agradece, por tudo, pelo aprendizado, e pela vida.

Tu voltaste e não saiu mais daqui. Eu te prometi o pra sempre, e assim levo nunca te deixando pra trás. Já foi escuridão já foi luz, já foi sonho e pesadelo, até aberração... Aquele pequeno garotinho sou eu, lembrando dos teus olhos... e do que um dia desejei para nós, são nesses domingos que sento e penso, que jamais vou te deixar só, sinto saudades de toda tua dor, do teu amor... e do conforto que me dás.
Eu sempre lembrarei... Que um dia foi tudo pra mim.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Aquele tempo

Lembro do tempo que te perdi...
Que machucava meus tímpanos ouvindo musicas
Pra ao menos tentar não lembrar o teu rosto..

Aquele sim, aquele tempo
Que eu pensava que tudo estava acabado...
Em que eu sentia que gritar insanamente seria uma das curas

Aquele tempo, sim... Ele...
Ele que estava no coração e continua com os restos...
Eu pensei que fosse forte, e agora sou...

E não sinto mais dor, estou forte,
Eu grito, por que é bom e não pra te esquecer.
Você se foi, eu não queria que fosse assim, mas foi...

E infelizmente chegamos ao fim,
O fim que por si só,
Disse a nós dois que não terá mais volta.

domingo, 10 de abril de 2011

Agora


As chuvas que banharam a alma dos amigos que caminhavam nas ruas...
Lembro-me bem, pode fazer mil anos, mas jamais perderei a força de acreditar que essa sim pode ser uma lembrança que não esquecerei.
A lembrança não é só deles caminhando comigo, simples, eu poderia estar em todos os cantos, mas com exatidão decorei que não estava só. Não importava pra onde corresse, sempre havia alguém pra me segurar, embora eu me segurasse para não cair.
Eu sei, esses tempos não voltarão mais... Foram dias feitos para passar, mas o tempo e todo aquele sentimento, era bom, era ruim e era único. Os sonhos eram buscados, mesmo sempre com um pé atrás.

E hoje, já não é mais assim... Mas sei que assim é a vida, e foi feita pra ser assim. Dura e completamente simples, e que tenhamos forças para poder lutar por tudo aquilo que sonhamos. É como se fosse uma prova de fogo que só acaba quando entramos em um sono eterno... E não aproveitar seria como o suicídio mais duradouro que existe...

Sem exitar, "só há uma chance pra viver"... o importante é seguir, não importa quem esteja ao lado, por que amanhã pode não mais estar. Assim como os melhores se foram, a chuva se tornou nuvens nubladas, apenas. E o passado vem, pode vir, mas agora tudo é real, a vida é seguir, é ter força e fé, para não se tornar escravo dela, nem inimigo, é ser amigo e o principal é não deixar de acreditar. Meus amigos agora são poucos... E não há o que complicar...

Agora eu sigo sozinho... Sem desistir... Sem me segurar tanto...

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Extremo luto


Frederico o abraçou a noite inteira. O que sentia, não sabia, tremedeiras, frio, medo e desespero. Todos os sentimentos juntos em um só corpo, em um só coração. Um arrepio insano o domou quando abriu os olhos de manhã. Como sempre insensível, olhou pela janela do quarto e percebera que tudo que sentia era em vão. Olhou para o lado e viu Frederico observando o seu despertar.
Com muita calma se levantou, mas incrivelmente veio à necessidade insana de sofrer aquilo que todos sofreram em um momento de desespero, gritou o nome de Frederico...
“Meu deus, estou tão atordoado, como um ser como eu, é tão insensível quando acorda, acaba torturado quando pensa? Como é possível tudo isso acontecer? Sinto-me fraco, e sem destino, sinto dores que não são materiais, isso não é como o passado, isto é pior, meu coração aperta, ele bate forte, e dói a cada batimento. Tudo está preto e branco e não paro de pensar. Frederico, o que acontece com minha alma? Está tão perturbada e inquieta, ouço tiros atingindo a alma como pensamentos atordoantes que invadem a minha mente. Como entender o coração mais invisível de manhã e o mais cheio de dores de tarde, de noite, até a madrugada plena em insônia? Sinto infelizmente a morte rondando meu corpo pedindo para que a acompanhe ao destino sangrento, e eu digo não... Ainda não...”

Dito isto, o ser continua a fazer coisas do dia a dia. Assiste TV, deita, se arruma, não consegue comer, na rua sua face pálida e quente, não ver o sol do meio dia, o céu chora junto com a alma e nem mesmo as pessoas fazem sentido.
Olha pela janela como todos os dias, Frederico está agarrado à alma do ser, inquieta, ele diz “calma” o protegendo para que nada de impulso aconteça... As casas não traziam lembranças... Só havia um pensamento trágico, e ao extremo luto chega ao lugar destinado, observando os seres que o rodeiam, pega sua caneta e como um poeta ensangüentado e abatido descreve tudo aquilo que sua alma grita...

P.s: um desabafo(07-04-2011)