domingo, 31 de outubro de 2010

Coisas do mundo

Em um pequeno tempo, percebi que há coisas a se aprender, há respostas a serem enxergadas, apesar do esforço me pergunto como tudo poderia estar no lugar em que nem me esforcei para procurar. Aprendi que esperar tanto de alguém é um erro, é como um suicídio. E quando percebes que paraste de esperar tanto, já é tarde demais. São coisas do mundo, são coisas do meu mundo, e lá eu vou superando tudo. Eu quero abraçar o vazio que se abriu em meu peito, quero abraçar a solidão, mas eu vou seguindo.

Milonga

Vamos falar de solidão
Na sua casa nunca mais entrei
Mas decorei com exatidão
Todas as coisas como eu deixei
Versos jogados pelo chão
Lembranças do que não presenciei
Mas decorei com exatidão
Como o passado que eu mesmo criei

E tudo que eu posso oferecer
São minhas palavras pra você
No plágio de uma bela melodia
E tudo que eu quero te dizer
Eu já cansei de escrever
Quero te ver enquanto não é dia

Mas diz porque tu vais embora
Mas diz porque tens tanto medo
Se não acorda cedo
Nem trabalha, estuda ou namora
Mas diz porque chegou a hora
Agora que eu venci meu medo
Te peguei pelos dedos
Pra dançar enquanto o sol demora
Para chegar trazendo aurora
E a luz que cega e me dá medo
E como um torpedo
Eu deslizo, eu vôo num mar de lençois
E cada dobra conta histórias
De muitas delas sinto medo
São muitos enrredos
Enrolados e embriagados como nós
Tão a sós, como nós, tão a sós

Porque você insiste em dizer que ainda existe vida sem você?
(Quando você não esperar vai doer e eu sei como vai doer e vai passar como passou por mim e fazer com que se sinta assim, como eu sinto)
Porque você insiste em dizer que ainda existe vida sem você?
(Como eu vejo como eu vivo como eu não canso de tentar eu sei que vai ouvir, eu sei que vai lembrar, vai rezar pra esquecer, vai pedir pra esquecer, mas eu não vou deixar, eu não vou deixar)

(Porque você insiste em dizer que ainda existe vida sem você?)
E eu não quero lembrar do que eu fui pra você
Uma simples distração pra você esquecer
Eu não quero lembrar que chegamos ao nosso fim
(Porque você insiste em dizer que ainda existe vida sem você?)
Eu não quero lembrar que eu vou acordar
Sabendo que meus olhos não vão te encontrar
Eu não quero lembrar que tudo acabou pra mim

Vou te esquecer, vou te esquecer
Vou te esquecer, vou te esquecer

Porque você insiste em dizer que ainda existe vida

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Ao meu herói

Um herói normal não. O meu verdadeiro herói não vem da história antiga,
Não tem estatuas em praças, não tem seu nome escrito em museus, nem dias feriados a lembrar-lhe o nome.
É um herói de todos os dias da semana. Levanta-se antes do sol, e se recolhe quando a noite se fecha nos seus olhos.
O herói que chega em um dia de tédio e vence, sem fazer nada. Chega, se fortalece. Um herói normal, não, é mais, está pronto para lutar. Às vezes parece que dentro dele vejo tudo congelado, com medo de saber o que está na frente, o que está no futuro, um herói com seus próprios medos e méritos.
Ele é virtual, está longe, mas me salva de perigos da vida, sem fazer nada, apenas com palavras, ele consegue arrancar a saudade.
Hoje eu vejo, que esse herói deixou saudades, em um tempo percebi que ele está no dia a dia, pode não está em praças, mas sua imagem está em mim, pode não vim de uma história antiga, mas vem do passado pra cá deixando rastros de amizade, também pode não ter dias de feriado, mas há dias de conquistas e vitórias, e uma dose de comemoração, eu comemoro por ele.
Esse herói me ensinou a dançar, fez de suas palavras as palavras mais importantes da minha vida, “Se lamentar é besteira”, hoje levo comigo essas palavras.
Salvou o ultimo dia do ano, comemorou comigo, escutou minha filosofia, e cantou até os passarinhos cantarem juntos... Dane-se é ano novo... e a dele “dormi no dia primeiro dá azar”... Ele dormiu 1 hora depois de falar isso. Eu me lembro.
Esse pode não ser um herói de quadrinhos, ou que salvou o mundo ou que lutou contra leões, mas ele é o herói da minha vida, tem imagens, nomes, frases, filosofias no meu coração. Ele é um dançarino da noite, que quer viver a vida de maneira que nunca vi igual, me ensinou ver a vida de outras formas, compartilhou momentos que foram importantes, e hoje, tenho que agradecer, não só por que é um dia especial e normal ao mesmo tempo. Saiba que esse dia está entre todos os dias que te tornas mais importante. Eu tenho razões para escrever, razões pra te amar. Só que agora, mais que nunca, sei que no virtual, tu és o único que realmente trás saudade... Essa é a verdade.
Tu és o meu herói, o melhor amigo, és um dos únicos que não quero esquecer, quero te encontrar e fazer da tua companhia a melhor que já tive.
Te amo, te adoro, te idolatro meu herói... E tudo que eu posso oferecer são só palavras e meu coração.
Feliz dia 1º de Novembro

Para: Hugo Ceregato.

Uma folha de diário perdida...

24-10-2010
Querido diário, felizmente hoje é um dia normal, o que no passado achei que fosse durar pelo resto da vida, durou apenas cinco dias para ser esquecido. "é hora de voltar"... Agora estou me levantando de acontecimentos recentes, mas que também está virando passado. Hoje se lamentar é besteira e faz sentido pra mim. Tudo que tenho a dizer é que a um ano atrás, nesta data, eu estava caída e jamais vou me perdoar por sofrer tanto naquele dia... Permito-me a dizer e a sentir que não valeu à pena. Aquele dia, agora para mim, é como uma folha a ser virada, uma pagina a ser arrancada, é como um livro que deve ser fechado para sempre... Eu aprendi que os sonhos só morrem quando são esquecidos, e eu digo diário, aqueles sonhos morreram há muito tempo, e aquela folha foi arrancada. Ah, e eu estou bem, estou ótima, o que restam daqueles dias são risos... Arrependo-me por fazer aquilo comigo mesmo. Até logo.
P.s: Não tem por que pensar, chorar e muito menos... querer voltar e se condenar por algo que já passou. Passar por tudo uma vez, basta, passar por tudo de novo, é tolice.

24-10-2009 - Folha arrancada...
" Querido diário, são exatamente 22:30, acordei atordoado e cheio de dores pelo corpo, minha cabeça lateja, tenho sinais de fraqueza. Estou morto, estou num inferno sem fim, estou afundando em minhas lágrimas. Nunca pensei sofrer tanto por algo que achei que me fizesse tão bem. Cheguei ao ponto do ridículo, ao ponto de cair em um chão cheio de sonhos que chegaram, ficaram, me enganaram e se foram.
O dia de hoje entrou para a história de uma vida perdida, sei que me lembrarei no ano seguinte e no seguinte... hoje parecia nublado e escuro, mesmo tendo um sol escaldante e brilhante lá fora. Saí sozinho de casa, levei dinheiro, um erro, encontrei com alguns amigos e compramos bebidas de todos os tipos, da mais fraca para uma que era capaz de matar. Eu estava decidido a beber muito e o fiz, bebi doses de todas as bebidas, mas isso não importa certo? Cheguei ao ponto de debruçar-me no chão e chorar me lamentando por ter amado tanto. Estou sóbrio agora, tranqüilo e sentindo o vazio e a realidade é que perdi o anjo que amei, ela se foi, e agora mais calmo enxergo claramente que tudo que vivi foi uma mentira, e fui alertado de todos os lados, meus olhos estavam fechados, e agora entreabertos ainda amo. Um mês atrás, setembro, ela disse adeus, hoje está em outros braços e amando mais que tudo, Amor? que amor? Mas não me importo. Hoje as doses me fizeram companhia. Sei que tenho que mudar, hoje foi a minha derrota, amanhã estarei morta, depois poderei levantar e seguir a vida. Às vezes penso que é melhor viver assim do que superar, querer superar às vezes dói mais do que lembrar.
Confesso que não estava pronto para perdê-la. Procurei pela dor e pelo sofrimento, hoje e todos os dias passados, chorei e por um momento deixo de existir, mas um dia eu nascerei nas minhas próprias lágrimas. Eu preciso deixá-las e tenho certeza que quando tudo isso passar acharei muita coisa que irá me matar, e sentirei ódio. Aprendi que tudo pode acabar quando menos esperamos, todas aquelas palavras, malditas palavras que me fizeram prometer que jamais a deixaria, o anjo prometeu o mesmo e me deixou, só sobram promessas. Ela tem que deixar as lembranças no esquecimento, quero ser esquecido, lamento mas é difícil aceitar que o que era o mais importante está deixando de existir. Que dor de cabeça, o dia foi pesado, agora pouco estava falando com um velho amigo e ele disse com todas as palavras, "se lamentar é besteira", acredite um dia isso fará sentido.
As duas almas zombam de mim, me deixaram no chão como um inseto, mas não as culpo, é a vida. Olharão pro nada e lembrarão-se do momento delas, não existo para nenhuma das duas, isso é bom... Quer dizer que chegou a hora e tenho que esquecê-las. Estou acabado... Estou fraco, e ainda lembro da tarde nublada de quinta feira, em que conheci o anjo, e ali foi a primeira mentira de muitas. E agora enxergo tão perfeitamente. É o fim. Mas eu vou mudar, vou fugir desta derrota. Sorriso na cara e estou de volta. Até logo diário.
P.s: Sofrer tanto por alguém jamais valerá a pena... Esta foi lição.

Gelo

Tudo está congelado, pelo frio dos ventos, pelo som, por tudo. O frio chega agora como se congelasse todos os sentimentos, como se congelasse o tempo. Está passando tudo tão devagar, até mesmo vejo o tempo passar diante dos meus olhos.
O sorriso na face do mais próximo já não me acalma, mas também não devasta, me traz um sentimento não mais igual, me traz novas respostas, novos rostos, como se a ajuda que precisei tanto estivesse aqui, na alma, estampada e de braços abertos esperando que eu a enxergue. Tudo que eu preciso está justamente onde nunca procurei. A prisão finalmente está descongelando.
Ontem eu sofria, sorria com a desgraça, sorria na própria dor e hoje não sinto minha face queimar, tudo que queimava foi embora com o vento gelado. Tudo que desejei falar foi escrito, há papeis jogados pelo chão do quarto e prefiro não mexer, por que foram as ultimas palavras que desejei falar e não repetirei as mesmas palavras.
Eu não vou voltar pra ti, passado. Desculpe mas tudo em ti está um gelo que não pretendo mais descongelar. Eu desisto de ti, desisto de ser o único desgraçado a soltar lagrimas.
Mas não desisto da felicidade por ti. Suas palavras e lembranças não mais chegarão a mim, não irá destruir os sonhos que irei construir, nem me deixar entre todos os papéis procurando respostas.
O gelo dos dias está chegando à alma como se fosse levar tudo de mim, faz frio e já não tenho nada, eu vou te esquecer. Hoje estou levantando o pé para dar o primeiro passo pra seguir em frente. Você não irá me destruir mais.
Mas se eu quiser voltar, não conseguirei quebrar o gelo sem te machucar.


“E assim eu enterro tudo que eu puder amar no seu jardim já que as flores não nasceram desde que você se foi... e só de ver posso sentir toda a dor de sofrer de morrer, o espinho dessa flor que eu mereço receber de ti que já levou tudo que eu tinha pra te dar... Mas nunca se lembrou que devia devolver meu coração.”

Paula Borges 29-10-2010

Friends

O sol já não nascia. Os dias amanheciam cinzentos, destinados à escuridão. Apesar de todos os gritos abafados, nada o ouviu, nada o enxergou. Nada do que esperava o ouviu. Nada..
Alguns comprimidos e um copo de vinho, viajara na própria loucura. Estava deprimido e sem saída, mergulhado em um abismo que construiu a base do passado. Tudo que encontrara nas paredes, eram sonhos interrompidos, era a condenação de um passado sem fim, ele pedia para esquecer, era um sacrifício.
Após algumas horas no chão debruçado sobre os papeis, ouvira uma voz. Uma voz dócil, como a de um anjo, repetia freqüentemente uma frase, até chegar aos ouvidos claramente, "eu estou aqui..."

-Quem és tu? Estou ficando louco?
E a voz gentilmente respondeu...
-não estás louco, estou contigo desde muito tempo. Sou apenas um amigo que estás necessitando ter. O que está acontecendo?
-Como posso confiar em você? Eu nem o vejo, nem o conheço, nem ao menos fala comigo.
-Ora, eu sempre falei ^^ você que não se permitiu ouvir novamente. Sou um amigo, e você confia em mim, estou aqui como único, apenas comigo você vai desabafar, nem outro ser vai ouvir seus gritos, nem uma alma vai se redimir para ajudá-lo, eu estou aqui para fazer isso, para cair junto contigo e tirá-lo desta magoa. Você estava me esperando, confie em mim...
-Como fazes isso, não abra os meus olhos! Deixe-me ficar aqui, talvez assim tudo passe, tudo vá embora como sempre foi... Um dia eu cansarei de sofrer assim.
- Talvez, talvez não. Tu és diferente amigo, tu tens medos que nenhum outro alguém se permite a ter.
- O que o medo tem a ver com isso? Tu, não sabes o que falas. Não fale besteiras a mim, não vês que estou tentando me recuperar de um tempo perdido? De um tempo lindo que não voltará mais? Tu não sabes da minha vida, nem o que sinto, não terás noção do que passo. Deixe-me um pouco sozinho.
-Desta vez não. Não poderei deixá-lo só. Afinal quem o entende? Tu não entendes o que sente. Não sabes nem mais o que és. Estás no escuro, não há respostas. Estás perdido em caminho nenhum. Medo? Sim tens medo, mas não é um medo comum. A resposta para todos os questionamentos... É simples e direta, tu sentes medo de esquecer. Simples, tu não queres deixar o tempo passar, por isso tu queres voltar ao passado, ao estrago, às madrugadas, à destruição, e tu não sabes que voltar a isso tudo, não te trará de volta os sentimentos verdadeiros, tu não voltarás ao passado. Tu pensas demais meu caro, és um desgraçado que insiste em pensar. A desesperança é algo que veio com o tempo, o amor. Pergunte a si mesmo não apenas o que foi aquilo tudo que passou, mas pergunte-se apenas o que és agora...
-O que sou agora? ... o que... Eu não sei o que sou agora... Creio que às vezes sei pelo que sinto e não pelo que realmente sou. Meu deus, eu não sei que sou... >< não sei...Tenho ódio... Ódio de sempre me basear no passado, desejo sempre voltar, viver momentos que nunca existiram, momentos que se foram. Não sei o que sinto... Sei que ser algo que quero é muito fácil. Falar que estou feliz é fácil, sentir e ser é difícil. Dizer que sou triste deveria ser mentira. A cada dia que passa meu humor e minha alma se vão com a noite. Parece-me que quando a noite chega, eu estou indo para o passado. Eu ficava triste muito facilmente por pura empolgação, eu gostava, mas acabou se tornando real e dói, é uma dor leve e amiga que me faz querer sofrer lentamente para que eu não peça que vá embora. Sinto-me perdido e sem respostas, o que sinto, o que sou? Um ser que de manhã acorda sorridente como o sol, ou um ser que fica em paz na tarde, ou que chora como um grande desgraçado querendo a escuridão e o passado na noite? Ajude-me...
- Eu nunca o vi assim... As respostas estão em ti, meu caro, estão longe, eu só via a dor na alma por algo inútil...
-Sempre por alguém certo?
-Sim... E nem um ser merece ter o sofrimento de um humano a não ser ele mesmo... Tu sofres por um passado recente, que te magoou como quem recebe uma facada pelas costas, mas meu amigo, o que importa? Sei o quanto amastes, o quanto vistes a felicidade, e ai estás, se perguntando no que te tornastes com toda a felicidade que passou, e não ganhaste nada, apenas lembranças, lembranças que te condenam por que tens medo de esquecer... Acredite, é melhor esquecer-se do que continuar rastejando pelo caminho de volta. Deixaste tudo para trás por um amor... e que amor foi esse que existiu apenas um, e não os dois...? Sobraram apenas lembranças... só isso e mais nada. A maior felicidade, os amigos, tua vida, perdeste tudo por achar que tudo fora diferente. Mas não... Continuas ai, pensando que o passado é o melhor a se pensar do que tudo pode ser diferente, e tu não queres, queres tudo igual, o que jamais vai acontecer. Conforme-se meu caro, olhe para frente, eu estou contigo, mas continuas completamente só. Passado é passado, você tem asas para concertar, ficar deitado no chão se condenando entre palavras não irá te levantar.


As lágrimas finalmente caíram, olhou os papeis cheios de esperança do passado. Juntou-os e os queimou. O ser desconhecido tocou seu ombro, um calor repentino veio, e se lembrou do tempo em que ainda conversavam, era um amigo não imaginário, mas era o amigo e o amante que sempre esteve ao seu lado...
-obrigado por voltar, amigo.
-não agradeça, sabes que sempre estarei vagando perto de ti.
-Por que esta obsessão pelo passado, meu amigo...?
-Feche os olhos... E me diga o que vê?
-Vejo sorrisos, uma tela, vejo a noite, o céu, alguém dançando na escuridão, pessoas zombando de mim, alguém sofrendo, pessoas sorrindo e sendo felizes longe de mim, ouço vozes, sorrisos, leio em letras grandes que fui um hábito e um sonho que se foi... Como dói, meu amigo... Não quero que vejam que estou caído assim. Não quero que saibam. Não quero que entendam, quero que fiquem longe de mim, até eu melhorar e ...
-Calma, não se precipite... Continue de olhos fechados, agora esqueça tudo, esvazie a mente, seu erro é pensar demais, esqueça os sorrisos, esqueça as pessoas, saiba que elas não merecem mais estar aqui, esqueça tudo... Lembre do seu lugar favorito, um belo lugar, ali entre as arvores, o vento, a tarde, o lago perto das flores. Lembre da noite perfeita, onde o amor fraterno era maior, onde estavam os únicos que podiam te segurar. A noite perfeita com seus dois corações que choraste por amá-los tanto, a lua estava bela e sem nenhuma lembrança. Ali é a sua calma.
-Que bonito, meus amigos estavam lá, os dois melhores, mal os vejo hoje, será que estão bem? Era bom o tempo em que só existia eles, e eu estava rodeado de todos os outros, as companhias, era bom cheio de luz, vou encontrá-los logo, e matar esta saudade. Sei que devo me livrar do passado, e que não devo me condenar tanto por tudo ter dado errado. Eu finalmente ficarei pronto para não me importar mais. Eu era uma criança quando tu apareceste para mim e sempre disseste com todas as letras a mesma frase de sempre...
-vamos deixar passar... Agora sabes que não é apenas o passado recente que existe, é possível esquecê-lo. ^^
-sim, pode ser fácil como nunca imaginei, eu tenho outras coisas para pensar. Pensar também pode ser uma morte lenta, então como sempre deixaremos passar...
-como sempre...
-Sinto falta da tua companhia, agora que estou só preciso de você, seja novamente a minha alma meu amigo... Desculpe por deixá-lo ir... Volte para mim...
-Eu nunca fui embora, eu continuarei aqui.

Ao fim da madrugada, deitou-se e nada mais pensou. O ser continuou ao lado da cama, observando-o dormi até o amanhecer... Por várias noites continuou ali, assim como duas almas que não se separam, como um verdadeiro amigo, o ser nunca mais o deixou.

Paula Borges -2010-10-23- sábado

As canções

As canções me tornaram um sonho. Um hábito. Passageiro, fui como um anjo do céu e do inferno. Fui um pesadelo, fui tudo e fui nada, não me esqueço o quanto me ensinaram a ser forte. À noite e o dia levaram tudo de mim. As canções do dia, eram de ânsia, eu tinha sentimentos alegres, me ensinaram a ter esperança. Eu era a felicidade e a tristeza de mãos dadas.
Os cantos me deixavam acordada, a melodia me fazia delirar. Era o que me deixava mais vivo. O tempo passava, e a cada dia eu escutava um canto novo, se era triste ou feliz, não importava eu só queria sentir o que podiam fazer comigo. As canções ficaram entre o amor e o adeus. Agora, não me importo se ainda estão nos meus ouvidos.
Os sons da noite, eram de desejo, eram também de esperança. A noite era de planos, de sorrisos, era a esperança de um novo dia, era o sonho que me deixava viva. Meus olhos brilhavam a cada sorriso, meu coração palpitava até doer... Não havia pensamentos ruins, as lembranças são boas e não tenho coragem suficiente para fugir...
Não sou um anjo bobo, tenho feridas para cuidar e não vou me enganar...
E as canções acabaram se perdendo por entre os ventos da distancia, me deixaram duvidas, tantos por quês... Elas foram embora e me deixaram só, com sinais de recaídas e dias vazios. O baque final foi apenas achar que as lindas canções da noite e do dia eram diferentes.
Eu fui o sonho que tentou provar que poderia ser real, o anjo que provou que a música poderia durar e o pesadelo que provaram mais uma vez que é muito fácil de ser esquecido.
“Você finalmente parou de lutar por mim.. “

05/10/2010