quinta-feira, 24 de junho de 2010

My Own Neosymbolism

Ao limite fora, fazendo belas melodias para que seus olhos fossem além da imaginação. Ao fim, a linda tragédia o fez chorar sem dó.
Crie a realidade através de seus olhos. Não faça dele um objeto, não fuja, este é o destino. O inverno cinza faz sentir como se a alma fosse congelar mais cedo ou mais tarde.
Leve-o para longe, leve-o com a noite silenciosa, faça-o dormi em seus braços. O tédio chega ao limite, as memórias chegam... Aqui, esperando com uma dose nas mãos, torcendo para que chegue o brinde da esperança. Espera a confissão que o pode matar novamente.
Tantas noites chegando sem dó... Tantas noites pedindo a algum deus que traga de volta sua felicidade... Que possa novamente voar até o infinito atrás da luz. E que os céus.. as ondas.. e o vento digam no fim, que tudo é real, quando a tempestade passar, a bela imagem com um perfeito sorriso estará esperando, para que possa sussurrar ao ouvido da cama, que não é mais um sonho. O seu lindo amor estará a sua espera.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

sábado, 19 de junho de 2010

Between Cup and Pride


Vem-lhe o pressentimento; ele se lança
Mais rápido que o próprio pensamento
Dribla mais um, mais dois; a bola trança
Feliz, entre seus pés --- um pé-de-vento!

Num só transporte a multidão contrita
Em ato de morte se levanta e grita
Seu uníssono canto de esperança.

O anjo, escuta e atende: --- Gooooool!
É pura imagem: um G que chuta um O
Dentro da meta, um L. É pura dança!

Vinicius de Moraes

terça-feira, 15 de junho de 2010

A Damn Freak

Acabo me pegando num pecado sem fim e sem perdão. Não posso soltar mais lagrimas por algo inútil, chamado passado. O que mais me fez sentir especial, o que mais me fez sentir.. Como se fosse a pior aberração. Se foi, e não sinto falta. E tu, eras tão especial. Tu não mereces perdão. Mesmo prometido o sempre, jamais terá meu perdão.

Eu não estou só. Eu sou a aberração que te ensinou a amar. Eu sou a estranha que nunca te deixou só. Não importava se iria doer, e acabou doendo mais do que eu esperava, me acabou ... me despedaçou ... e tu foi ... como uma pena que flutua em um mundo perfeito. Não quero tua culpa. Não quero absolutamente nada...
Só quero que vá, sem olhar para trás. E esqueça que a aberração se foi, e nunca te deixou só.

24/10/2009

Anymore


Oh céus, o que fiz para trancar minhas janelas?
O que fiz para não ver mais a luz entrar?
Estou cansado, meu limite chega e sinto-me frágil.
Sinto-me cada vez mais longe.

Nem o tempo pôde cicatrizar.
Hoje estarei doente...
Com medo de pensar estar sozinho.

Eu não voltarei às trevas, por causa de uma noite apenas.
No dia estarei firme e forte, tentando sempre manter a claridade.
Fazendo das madrugadas de insônia me levarem ao túmulo.

Hoje, a manhã nasceu sem sol
Hoje, estou dizendo até mais.
Hoje, morro e revivo dentro dos caminhos da saudade.

Fecharei meus olhos e não verei o tempo passar.
Me trancarei em meu mundo
Não deixarei que meu presente consista no estranho e nas sombras.

Hoje, eu vejo claramente a felicidade e a tristeza caminharem de mãos dadas.
Amanhã estarei dançando junto às estrelas.

Kill this felling...

sábado, 12 de junho de 2010

Naqueles dias


O que menos podemos esperar. O que mais tememos. Estive em um inferno entre paredes. Meus sentimentos voltaram, eu sentia falta, eu sentia dor, e sabia que estava longe de passar. Estava em um inferno fechado que insistia em cuidar de mim.
Eu gritava silenciosamente, lágrimas invisíveis, meu choro cada vez mais estava preso. Estava voltando para minha necessidade e ao meu maior medo. Queria chorar tudo que sentia, mas queria também manter-me forte e resistente. Não quero que sintas o que sinto, é desesperador.
Queria mais que tudo, voltar apesar de tudo, eu estaria voltando para dar boa noite, dando um sorriso para que dormisses quietamente. Não importava o inferno que eu estivesse, eu estaria morrendo de saudades. Eu estaria gritando teu nome. E dizendo que jamais te deixarei só.
Naqueles dias, meu abismo voltou como uma onda que se forma de repente. Tanto tempo sem ver o sol nascer, sem ver o anoitecer, e tu não me ouvias. Estava dentro de um pesadelo, estava na hora de acordar. Desejava tanto voltar pra casa, tanto, tanto... Nunca pensei ser tão inimiga da cama, nunca pensei ser tão inimiga do mundo.
Tu estarias me esperando, e eu não sentiria esta saudade. Não quero fazer algo bonito e dançante, essa era a minha verdadeira face... quando estava mais distante de ti. Não quero mais estar com agulhas em mim, não quero mais dormir obrigatoriamente, não quero mais gritar em vão, quero acordar. Quero sonhar e dormir. E quero a única coisa que poderia me fazer bem, que poderia curar a minha doença... E a única cura estava tão longe... Quanto as duas estrelas que pude ver no céu, naqueles dias.
"Mais dias mergulhada no tédio, na sonolencia e no inferno"

02/06/2010
09/06/2010

Tempo perdido

Todos os dias quando acordo
Não tenho mais
O tempo que passou
Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo...

Todos os dias
Antes de dormir
Lembro e esqueço
Como foi o dia
Sempre em frente
Não temos tempo a perder...

Nosso suor sagrado
É bem mais belo
Que esse sangue amargo
E tão sério
E Selvagem! Selvagem!
Selvagem!...

Veja o sol
Dessa manhã tão cinza
A tempestade que chega
É da cor dos teus olhos
Castanhos...

Então me abraça forte
E diz mais uma vez
Que já estamos
Distantes de tudo
Temos nosso próprio tempo

Não tenho medo do escuro
Mas deixe as luzes
Acesas agora
O que foi escondido
É o que se escondeu
E o que foi prometido
Ninguém prometeu
Nem foi tempo perdido
Somos tão jovens...

Tão Jovens!

Sinta vontade de ficar. (L)


Fique a vontade meu bem
Sinta vontade de ficar
Não tenha pressa
Quem sabe aqui é seu lugar
Mas se tiver de ida
Vê se não vai assim sem mim
Deixa a dor pra depois
Vamos nos aventurar nesse nosso tempo
Após prantos sem chorar

Fique a vontade meu bem
Sinta vontade de ficar
Não tenha pressa
Quem sabe aqui é seu lugar
Me mostra tua coragem
Vai leve tudo de mim
Apague os passos da estrada
Tente nem se quer lembrar
Daquele nosso tempo
O qual era tão fácil amar

Diz que quando eu for embora
Sempre vai me procurar
Não que eu não queira
Sempre eu vou te amar
E em cada estação
Em que não puder estar
Levo essa saudade
Enquanto não posso te levar
E no fim desse sufoco
Espero contar com a sorte
Se ela existe,
Que só a morte possa nos separar

>canto dos malditos na terra do nunca.<

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Deixa o tempo


Eu não volto mais pra casa
Não há ninguém a me esperar
Eu não vou ver o sol nascer
Pois tranquei minhas janelas
Pra não deixar a luz entrar

Eu canto as notas mais erradas
De refrões que eu nem sei cantar
Tentei chegar até você
Mas você não ouviu nada
Chegou a hora de acordar

Queria tanto estar em casa
(O teu silêncio nao traz paz)
Vendo mentiras na televisão
(Ele só me aproxima mais)
Esperando alguém ligar
(Deixei meu rádio em qualquer estação)

Então deixa que o tempo vai cicatrizar
Ele te trouxe até aqui
Mas pode te fazer mudar
Então deixa que o tempo vai gravar a tua voz em mim,
Para que eu possa te ouvir
Toda vez que eu precisar

Deixa que o tempo vai . . .

Deixa que o tempo faz . . .

Então deixa que o tempo vai cicatrizar
Ele te trouxe até aqui
Mas pode te fazer mudar
(E você já mudou)
Então deixa que o tempo vai
(Queria tanto estar em casa)
gravar a tua voz em mim,
Para que eu possa te ouvir
(Vendo mentiras na televisão)
Toda vez que eu precisar

Fragmentos de um sonho

Jaz aqui o sonho que o tempo
Passa e realiza. Fazendo de um sonho
A saudade, da saudade e um sonho
A felicidade.

“Então deixa que o tempo vai cicatrizar”

O dia chega mais perto, e eu estarei em seus braços.
Tornando o sentimento verdadeiro,
Tornando meu ser algo que parece ficar sempre em tuas mãos.

“Ele te trouxe até aqui”

Estamos realizando nossos sonhos,
Sem preocupação, dentro do fogo, dentro da água, dentro da aurora...
Criando todas as sintonias sentimentos.

“Mas pode te fazer mudar”

Quero sentir algo que nem o tempo,
Nem o mundo, nem as pessoas, nem os mais poderosos...
Podem mudar.

“Então deixa que o tempo vai gravar a tua voz em mim”

Vamos formar a dança perfeita,
Como a chuva e o vento
Gravando no céu nosso sentimento de liberdade.

“Para que eu possa te ouvir”

Vem comigo e faz desse fragmento a realidade.

“Toda vez que eu precisar...”

Não acorde...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Five Months


Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.