sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O que o fracasso faz

Quando tudo que eu acreditava, tudo que me mostrava esperança teve um fim, achei que nada mais fosse possível. Estava tudo despedaçado, a noite parada, mãos machucadas, olhos inchados, coração acelerado abatido em carne viva. As respostas foram achadas e jogadas no chão como grandes besteiras, grandes causas. Tudo dependia de um só caminho, parte da dor que senti foi culpa minha. Os caminhos são bonitos quando tudo está perfeitamente bem, mas duvide, faça perguntas, quando tudo parecer perfeito duvide da verdade ou viva intensamente para saber se no fim ainda estará de pé. São alguns dos caminhos.
Aprendi que não há um caminho, há vários, para enxergar-lo depende do que te faz abri os olhos pro mundo, do que te faz ir pra frente e não ache que é alguém além de ti mesmo. Com o tempo vi um caminho totalmente livre, vazio, sem ninguém, é preto e branco, não há amigos, não há amor, ele só tem a mim e a minha sombra. Poderia ser até o caminho para loucura, mas percebi que o que mais precisava era de tempo e paz, acabei percebendo que até os melhores amigos vão embora, mesmo prometendo a eternidade ou dizendo que estará ao teu lado nas horas difíceis... Amizade é um dos venenos mais doces que existem, é bom senti-lo, prová-lo e compartilhá-lo, mas pode não haver o sempre.
Eu andei procurando por lugar nenhum. Procurei por confiança, por amor, e nada achei. Mas tudo que sempre quis ter, que quis presenciar estava ali, era a minha sombra, era a mim. No caminho há uma única resposta, tudo dependia de mim mesmo pra continuar. Pode ser sozinho, pode não ser claro nem escuro, mas há confiança, paixão e dança. Eu construir um novo mundo que jamais pensei em ter, e sim, há felicidade, sorrisos, objetivos e por fim há vida. Lá estão estampados os meus sonhos e não reclamo, não grito por ninguém, não choro por ninguém, e ninguém há de me machucar.
Repito. Nos olhos dos que vêem de longe é o único caminho para a loucura e não viverei os sonhos de ninguém, tudo que há aqui e nos meus ombros é meu... E é só meu...

"O maestro bem falou a ofensa é pessoal, quem aponta o traidor é quem foi traído. Já sabe o que é cair ao menos tentou ficar de pé e vitima de si, despreza o que nunca vai ter, o mais verde é sempre além do que se pode ter... Vive tão disperso olha pros lados demais, não vê que o futuro é você quem faz porque o fracasso lhe subiu a cabeça... Atribui ao outro a culpa por não ter mais, declara as uvas verdes, mas não fica em paz porque o fracasso lhe subiu a cabeça..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário