Oi, velho.
Só gostaria de te contar que eu conheço bem essa história,
Diferentemente das outras, é curta,
Não dá nem em uma página,

Ela foi imensa quando quis.
Ela é infinita quando quer.

Só quero te escrever que eu sei cada caminho dessa história
A qual não sou eu quem escreve,
A qual me surpreendeu quando foi escrita

Era certo quando era mais que sonho,
Era errado quando eu peguei a caneta e quis terminá-la.

Mas, percebi que essa história tem que terminar quando quiser
Por vontade própria,
Sem obrigação,
Pois, também, diferentemente das outras,
Eu não sei quando, onde ou como acaba.
Sei que talvez eu goste de ser uma das personagens principais

Seria o fim? Ou o início? Ou o meio, apenas?
Ou continuará sendo infinita?

Me surpreenda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Querido diário virtual

Notória lembrança

Carta jogada ao vento