domingo, 13 de abril de 2014

Carta ao autor

Ei... Lembra daquela garota que acordava bem, olhava pro céu azul e deixava aquele vento com cheiro de folhas secas levar tudo?
Costumava respirar e sorrir com isso.
Lembra dela? A que gostava de por o pé no quente do sol da manhã, e dizer pra um anjo o quanto aquilo era bom?
Lembra de que a presença dela era a calma, a alma era aberta, os olhos eram brilhantes?
Lembra do coração bom dela?
Lembra que mesmo caindo, ela costumava lidar pelo menos um pouco com isso?
Essa garota pintou o céu das 6 horas da manhã. E foi a melhor arte.
Ela amou um anjo. Ela não só amou, mas fez ele sorrir, e apreciar a presença dela como paz. E daí tirou os maiores e incondicionais sentimentos de amizade que alguém poderia ter. Ela cuidou,ela viveu e abraçou isso.
De certa forma, o mundo dela foi virando do avesso.
Ela adormeceu.

E de repente veio você.
Suas cores são pesadas, seu coração é impulsivo e seus olhos são dormentes. Você se jogou na lama, surtou. Você estragou tudo.
Sua presença gera indiferença, seu clima é desgastante, só há euforia, e vários "que se dane" fora de hora. Qual é o teu problema?
Não diga.

Por favor..
Traga-a de volta. Traga a paz de volta.
E assim que encontrá-la, diga que o mundo aqui fora não é o mesmo. Diga a ela que o anjo encontrou uma asa, mas apesar das cores pesadas, ele ainda não saiu do lado dela.
Eu imploro para que tire do bolso todo aquele céu e devolva a ela. Aquele céu,meu caro, costumava ser a coisa mais preciosa daquela garota.

Vá embora, e sonhe em nunca mais voltar.
Você é um paraíso perdido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário