As vezes, vejo-me aqui perdido
Sem inúmeros sentimentos
Estou neutro, na pele de um escritor
Que nada sabe.

Está nublado, tive pesadelos
Está silêncio e é aniversário da cidade.
Em um domingo qualquer,
Estou aqui, louco e vazio.

Mergulhado na própria ânsia,
No pensamento,
Só assim, consigo refletir.. E só assim

Morto, debruçado, confuso
Coberto, com frio,
Sem entrelinhas, sem nada, sem luz,
Sem calor, sem emoções,
Sem a literatura certa, sem inspirações,
Sem ti, sem mim, sem nós.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Querido diário virtual

Notória lembrança

Carta jogada ao vento