domingo, 14 de abril de 2013

Devaneio de plantão


Que tédio. Sentada na cadeira do trabalho, começo desesperadamente a pensar. Como o tédio é capaz de trazer pensamentos tão insignificantes assim?!
   Olhando pela janela, vejo os urubus voando por entre os prédios imundos, penso sobre a visão.
Por exemplo, olhei para a janela, acabo de sentir-me dentro de um sonho. E por loucura imaginei-me no mesmo lugar que Alice. Quanto mais eu olho, sinto-me diante de uma pintura com imagens graficamente irreais. De repente, as imagens de Alice somem, vejo-me agora mergulhada no mundo surrealista de Dalí, tudo se embaça. O prédio mais próximo é um gigante psíquico da guerra antiga. As nuvens encontram-se negras, e os relógios começam a descer em câmera lenta, estão mostrando as memórias de um sonho, juntos delas o mesmo horário da tela do computador.
  A mesa estremece um pouco e logo para. A imagem de Salvador está logo a frente da fábrica desconhecida, e logo ela se transforma em uma pintura realista demais. Uma arma. Dalí sorri. Está rindo. E ela explode. KABUM. A bala vem na minha direção, está pronta para destruir o meu mundo, não faço nada, não fujo, a deixo vir. O coração começa a bater mais rápido e forte. Olho para o livro de Goethe e dou-me conta que não estou com medo. A bala continua vindo com a mesma força... Pronta para me destruir.
  Eu quero abraçá-la, pois se que não me matará.
Ela chega à janela com força máxima, os relógios de Dalí param-na no tempo, meu olhos brilham.. Meu deus.. Eu sorrio, fecho os olhos.
TOC TOC TOC 
– Hey, menina, você pode laudar este lote de hemograma?
Talvez a visão de um louco não seja tão insignificante no tédio assim...
-Posso sim, doutor ~
São apenas, 10:20 da manhã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário