segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Aprendizado de segunda

Falar abertamente sobre algo é raro. Mas quero falar abertamente a quem ler, seja você, seja qualquer um ou eu mesma daqui a um tempo.
Olha...
Negue um julgamento, negue um amor, negue uma transa casual, negue mil vezes um beijo, negue que ama viver, negue que não quer morrer, negue um olhar, negue uma verdade, negue que você roubou, negue que não ama, negue o seu orgulho, negue querer mudar, negue que você canta bem, negue o seu narcisismo, negue uma paquera em balada, negue a brutalidade dos seus sentimentos, mas não negue um abraço a um amigo. Tipo, jamais. Você negando a dar um abraço, seja o mais simples e o menos demorado para uma pessoa que você tem afeto, você nega o conforto de quem precisa tanto. Você faz com que queiram ir embora dali sem pensar uma vez. Você destrói o coração de quem lhe pediu um gesto sem culpa. Você o fere independente do que ele anda sentindo ou não. Você destrói todo o sentimento de saudade que aquele ser estava sentindo. Você fere o que é mais importante na amizade de vocês. E o mais importante, você não sabe se vai vê-lo mais uma vez por aí.

Não negue um abraço para a pessoa que estava ali quando você chorou e sorriu, porque dói. Machuca. E você não vai saber que isso não será esquecido.
Eu não fui embora, mas foi um aprendizado doloroso para a vida.

domingo, 6 de dezembro de 2015

Querido diário virtual

Aquela pessoa olhando o pôr do sol de uma janela sentindo uma ponta de “felicidade” como um nó na garganta, sem maldade, sem um céu, sem rumo, inexplicavelmente sou eu.

Não uma bala gigante de Salvador Dali querendo me estourar os miolos nesse domingo. Não um objeto querendo se atirar no mundo do último andar de um prédio qualquer. Não a alma nas nuvens surrealistas do meu cérebro.
Sou eu.
Era eu
Digo isso, pois não estava mergulhada na minha cabeça, diário. Não. Eu estava ali sentindo o real sem entrelinhas. Era eu sem ela. Era eu sentindo que ela foi real e surpreendente todo dia. Era eu sentindo que talvez eu a ame mesmo tendo lados bons e ruins. Era eu sentindo que ela fora tudo por um momento e sumiu, como uma estrela e eu estava melhor.
Sei que se essa estrela reaparecer em qualquer outra forma no mundo me fará sorrir, como o real que chega agora aos meus olhos.
E eu ainda espero o pôr do sol que ela um dia me ofereceu.

"E hoje a noite não tem luar
E eu estou sem ela
Já não sei onde procurar
Onde está meu amor?"

terça-feira, 6 de outubro de 2015

E quando ela foi embora naquele dia, nada em mim incomodava, nem as dores que sentia, nem o coração que ardia, nem o que a noite trazia. Me deitei na cama plena e realizada, eu era a pessoa mais feliz do mundo. Fechei os olhos, de braços abertos como se fosse o último dia, eu sorria.
O que eu exigia era que ela chegasse em casa e dissesse, como disse, que estava realizada e feliz.
Talvez seja um dos sentimentos mais puros que já senti.
Mas tudo desmorona e cai como um simples ato de "balanço".

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Querido diário virtual



Há coisas no universo que não tem explicação, se você vai atrás de uma explicação, você se perde e não volta mais.
Há coisas que não foram feitas para serem explicadas, por exemplo, nunca imaginei que algo vaidoso se tornaria insubstituível. Nunca imaginei que acordaria sorrindo todos os dias por algo real. Nunca imaginei sorri para os quatro cantos imaginando um futuro. Não imaginei querer ser alguém melhor. Não imaginei querer ir além das minhas doses matinais de loucura. Não imaginei ser curadada por olhares meigos, também não imaginei que alguns risos seriam minha trilha sonora favorita.
Ou seja, diário, tem coisas que te pegam de jeito e não te largam enquanto você não vê o final da história. Você tem que ver o céu mais azul de manhã todos os dias. Você tem que respirar melhor o perfume que ela te dá. Você acaba não querendo algumas doses de loucura para segurar tudo que lhe oferece ser bom. Há coisas que viram teu mundo de cabeça pra baixo e você escolhe, mesmo que assustado, coisas que nunca te passaram pela cabeça e se entregar. É estranho, desesperador, enlouquecedor, incondicionalmente feliz.
Um último exemplo: nunca pensei que vermelho se tornaria minha cor favorita no mundo.

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Blue Moon


Querer estar onde estou,
Deitado esperando a lua azul cair
Não significa querer morrer,
Não significa querer fugir.

Esperar a lua cair é
Querer respirar melhor,
Querer esquecer a fé que se foi,
É ver fumaças desenhadas
Uma a uma
É  pertencer a lugar nenhum
E se sentir melhor.

A lua cai e derrama
Esperança de nunca mais esperar nada.
Deles.
Delas.
Do mundo.

É confuso, eu sei

Apenas,
Espero algo do que ainda pulsa aqui

Pois é o que resta.

Não significa que não é amor
É algum tipo de amor, sim
Tão grande, sim
Que também não significa que é só você

É confuso, eu sei

Mas pensar pausadamente até chegar em alguma forma de conclusão paradoxal que faça sentido apenas aqui dentro, me faz sorrir e delirar o que não sorri e delirei há muito, muito tempo.

"I gazed the gazeless stare at all the millions hills
I must have died alone, a long, long time ago
Who knows? Not me
I never lost control"

sexta-feira, 17 de abril de 2015

.

"Teu olhar sempre distante sempre me engana."


sexta-feira, 10 de abril de 2015

Então, para.

"Foge e não tem sentido nenhum, certo? Porque você tá fugindo do que te faz bem. Tá fugindo porque “agora não é hora”, “talvez você esteja enganado”, “e se você for embora, como é que eu fico?”, “você não quer o mesmo que eu” e blá, blá, blá. Você é todo um Hades de vozes semiloucas gritando pra não me querer porque, bem, você já quer. E eu te quero tanto. Quero pra caramba. Quero a ponto de implodir sozinho só pra não deixar nenhum caco meu cortar você.


Nunca tem fuga quando a coisa da qual a gente foge mora dentro da gente."


Trecho do texto de: Daniel Bovolento.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Dizia ele sentado no meu all star vermelho, que seu grande amor usava um vestido branco, seus cabelos eram lisos enfeitados com um laço preto feito de plástico. Ela era fria. Era meiga. Era única. Seu gosto adormecia cada articulação de seu corpo, cada músculo, cada veia, cada artéria, cada lembrança, cada tristeza, cada decepção e qualquer história que teria no agora.

Dizia ele sentado no meu all star vermelho que se estivesse vivo, amaria no mesmo nível bruto e louco cada pedacinho daquele vestido. Cada pedra de enfeite. Cada olhar e risco que correria.

Dizia ele sentado no meu all star vermelho que ela era o vicio para a vida toda. Em cada noite e cada hora enquanto estava com ele. Uma pena ele não poder apresentá-la ao mundo. Uma pena ele dilacerar-se em arrependimento quando não conseguia dormir. Ela não dava a ele uma boa noite de sono.

Dizia ele que tomou uma dose maior dela todos os dias para que ela não o esquecesse. E a cada dose, ele fechava os olhos e a deixava tomar conta do seu corpo inteiro, ela cuidava dele, ela salvava ele. Ele tremia.

Disse ele que morreria por ela de novo, de novo e de novo.Porque ela nunca prometeu que não iria matá-lo.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Oi, velho.
Só gostaria de te contar que eu conheço bem essa história,
Diferentemente das outras, é curta,
Não dá nem em uma página,

Ela foi imensa quando quis.
Ela é infinita quando quer.

Só quero te escrever que eu sei cada caminho dessa história
A qual não sou eu quem escreve,
A qual me surpreendeu quando foi escrita

Era certo quando era mais que sonho,
Era errado quando eu peguei a caneta e quis terminá-la.

Mas, percebi que essa história tem que terminar quando quiser
Por vontade própria,
Sem obrigação,
Pois, também, diferentemente das outras,
Eu não sei quando, onde ou como acaba.
Sei que talvez eu goste de ser uma das personagens principais

Seria o fim? Ou o início? Ou o meio, apenas?
Ou continuará sendo infinita?

Me surpreenda.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Se há direito ao grito, ENTÃO EU GRITO

Eu diria infinitamente,
Seja dentro de um avião,
Seja escutando músicas novas (bem novas, para mim)
Seja acalmando meu estomago,
Sim, ele te ama.

Eu diria infinitamente...

Seja tendo a ansiedade como inimiga
Seja longe,
Seja perto,
Seja mais longe ainda,
Seja minha cabeça virada de cabeça para baixo,
Seja o mundo de cabeça pra baixo.

Eu diria infinitamente...

Seja com mil obstáculos para enfrentar
Seja com mil obstáculos para te esperar
Seja te desejando aqui,
Mesmo significando que eu te espere até o fim do mundo.

Seja te fazendo carinho,
Seja olhando nos teus olhos,
Seja dizendo no teu ouvido,
Seja dizendo com os meus lábios nos teus,
Seja te convidando para uma última dança.

Seja, finalmente, te encontrando,
Eu diria infinitamente...
Eu te amo.

"I think that when you have a connection with someone, it never really goes away, you know? You snap back to being important to each other because you still are."

domingo, 18 de janeiro de 2015

2015

Caro amigo,

Se há algo que talvez eu queira acrescentar sobre o ano infernal que passou é que ele, definitivamente, foi podre. Concordo com você. Quase tudo nele foi estranhamente estragado.
Um ano podre, de exceções perfeitas.
Mas o fim dele chegou e lhe vi como nunca mais vi. Você como você mesmo diversas vezes no mesmo mês.

Se houve desentendimentos, surtos, drogas, Deftones e álcool, você superou.
Se houve Kurt Cobain, surtos, janelas de ônibus, tempo, lembranças, drogas e álcool, você superou.
Se houve mais tempo, mais drogas, mais álcool, mais surtos, mais tudo. Enfim, o fim de tudo, você superou.

Afinal quem era você no fim? Depois de tanto tempo, você era aquele que dançava em câmera lenta junto dos demais, enquanto tudo desabava entre quatro paredes. Não sei o que dizer.

Quem é você neste novo ano que tão surreal já fora em 18 dias? Quem é você que sabe que está apaixonado e não chora? Quem é você que neste exato momento escuta Pink Floyd e Guns N’ Roses pensando nuns outros olhos, num outro corpo, num outro abraço em outro coração e sorri? Isso não acontece há muito tempo, eu sei.

Quero dizer, que prazer eu tenho em lhe ver de novo. Estou espantosamente orgulhoso.

Lembre-se: Paciência, pois tem muita coisa para acontecer esse ano.

Feliz 2015 atrasado para nós.

"Was a time when I wasn't sure
But you set my mind at ease
There is no doubt you're in my heart now"


Ass: Frederico.