E agora, meu querido diário virtual, sinto-me novamente dentro de um ônibus voltando para casa numa terça feira a tarde, chorando mais do que tudo por dentro, perguntando-me como vou sobreviver.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Querido diário virtual

Notória lembrança

Carta jogada ao vento