segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Aos 12 meses

Hoje, dia 13, ou 20, sei que desceu-me a noção que nenhum desses dias importam, não importam. Não se assuste se estiver lendo. Eu posso explicar.

 Antes, eu quero escrever sobre ti. Quero que tu faças parte disso aqui, dessa página, e que faça parte não só das coisas indiretas. Essas palavras serão diretas, pela primeira vez.

Talvez eu tenha feito um texto perfeito olhando pela janela ônibus algumas horas atrás. Fora perfeito, mas colocar estas palavras criadas para fora, é quase impossível, porque pelo que entendo de todos esses dias que passaram, é algo indescritível. Tu me ensinastes a amar incondicionalmente.Eu lhe contarei agora o que aconteceu a um ano atrás até hoje.

Ao meu ver, eu era a alma jogada, desleixada, querendo não mudar em nada, desejando ter o mal por perto, o mau humor, e ter a arte de fingir o tempo todo como maior dádiva e arte do meu ser. E aí, tu aparecestes, ao meu ver, o anjo que me estendeu a mão, sem nem mesmo escutar meus berros. Tu estivestes ali, como um céu, como tudo, e isso me encantou por inteiro, tu aceitou sangrar comigo, aceitou curar tudo isso até me levantar. E assim foi, conquistando-me um pouco mais a cada hora de todos os dias. Por mensagens infinitas só nossas. Com incômodos perdidos e despercebidos. Com sorrisos de mãos dadas. Com lágrimas contidas de saudade. Por mais que haja exagero em minhas palavras, só tu podes perceber e sentir o que falo. Houve sonhos de 20 segundos. Houve cuidados. Houve brincadeiras e uma faca. Houve exageros miseráveis da minha parte, e paciência da tua. Houve brigas, surtos, e no fim: "Nhown, tá tudo bem entre a gente?". Houve um pilar. Houve boas noites e bons dias lindos. Houve companhia, cantorias, e risos nas madrugadas a dentro. Houve um suposto nascer dos céus das 4 onde passarinhos loucos cantavam e o das 6 quando eu olhava e lembrava da madrugada que eu passei contigo. Como sinto falta das nossas madrugadas e das tuas cantorias empolgadas. Houve o dar de vidas uma pela outra. Houve milhões de palavras nossas como desabafo. Houve um afastamento rápido por um tropeço duradouro. Houve apoio em tudo. Houve o nosso primeiro abraço. E ainda há tudo isso, e talvez mais um pouco.

Comemoramos os dias pela minha percepção das coisas.. tu tens razão...
Hoje dia 5 ou dia 13, ou 20 pro dia 21... Desceu-me a noção que nenhum dia específico é tão importante, claro que são lembranças lindas para mim, mas a cada dia tenho mais algumas. Não é o tempo que a gente fala, não são os dias específicos, percebi que é o que a gente sente todo dia, é o que a gente mantém todos os dias durante 12 meses, é o que a gente cria e vive todos os dias. Isso é importante. É tudo o que eu disse a cima, é importante. É saber que o mundo tem que virar de cabeça para baixo para entender todo esse sentimento, isso é importante. É ter certeza que tu vais continuar aqui, isso é muito importante. É saber que mesmo que daqui a um tempo sigamos caminhos diferentes, seremos sempre a "nhown" uma da outra, lembraremos o que fomos e o que somos uma para a outra e isso é.. infinitamente importante. Obrigada, muito obrigada... por tudo, meu anjo colorido, quase platinado.

Termino, dizendo que eu te amo mais do que tudo.
Termino, cantando bem baixinho.. "We are the vampires on tomato juice..."

Aos 12 meses.

{Y.S.}

Nenhum comentário:

Postar um comentário