E neste exato momento,
No meio da noite,
Te vejo fugir por entre os meus dedos...
E não é sonho,
É te ver indo embora um pouco mais a cada noite...
A cada conversa.
Não quero que vá
Eu realmente não quero que vá..
Mas não tem poder, nem querer
Continuas indo, pra longe,
Sem mim...

E isso, em poucas palavras, definem talvez o futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Querido diário virtual

Notória lembrança

Carta jogada ao vento