sexta-feira, 9 de março de 2012

De repente

De repente sentir um supiro chegando, o frio se espalhando,
é saudade de sentir?
é saudade de dizer?

De repente sentir que poderia ser eu novamente, aquele que tinha as asas quebradas para poder te segurar.
saudades de sentir uma alma perto da minha?
Sentir o calor do agrado de dormi sorrindo?

De repente me vejo parado em uma noite quieta e fria querendo dizer, bem devagar, as três palavras malditas.
De amar?
De ilusão?

Ali sem ter para onde ir, sinto frio e febre, minhas asas abaixam e sinto que agora, somente agora não posso voar para lugar nenhum porque meus olhos sangram pelo que um dia já vivi.
Tento manter-me forte para não querer voltar.
Para não cair, não querer estar deitada naquelas lágrimas..
Não desejar um dia escuro...
Fecho meus olhos..
E vejo seu rosto...

Nenhum comentário:

Postar um comentário