sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Querido diário virtual

Não pretendo escrever agora, pois sei que serão as mesmas palavras. O que sinto passa a ser mais forte agora, depois de tanto tempo.
Esse desgosto escrito no peito não é tristeza, como doença contagiosa, é um principio de ódio. Estou tão cansado destas mesmas palavras escritas, cansado de lembrar de todos os meus surtos, cansado de me sentir mal ao ter duvida se fui ou não feliz ao teu lado.

O que mais me maltrata é: Se fui tão feliz e se sorrir tanto, porque de algum modo misterioso não quero lembrar de nada, escutar musicas de cada momento, nem de voltar ao teu tempo?

Quando olho para trás, vejo-me ali vivendo nada e aprendendo nada, entre quatro paredes e um sorriso cansado...
Eu consegui criar um bloqueio só pra ti, com todas as coisas que me fizeste, me disseste e com todos os machucados em carne viva, sangrei até não haver o que sangrar... E cada cicatriz eu abri para saber o que se passou.


Te desprezo por todos os teus atos,
Por todas as tuas duvidas,
Porque de mim já levaste tudo...
E hoje de mim não levas mais nada...

Nenhum comentário:

Postar um comentário