domingo, 30 de dezembro de 2012

~


Depois de tudo te amarei
como se fosse sempre antes
como se de tanto esperar
sem que te visse nem chegasses
estivesses eternamente
respirando perto de mim.

Perto de mim com teus hábitos,
teu colorido e tua guitarra
como estão juntos os países
nas lições escolares
e duas comarcas se confundem
e há um rio perto de um rio
e crescem juntos dois vulcões.

Perto de ti é perto de mim
e longe de tudo é tua ausência
e é cor de argila a lua
na noite do terremoto
quando no terror da terra
juntam-se todas as raízes
e ouve-se soar o silêncio
com a música do espanto.
O medo é também um caminho.
E entre suas pedras pavorosas
pode marchar com quatro pés
e quatro lábios, a ternura.
Porque sem sair do presente
que é um anel delicado
tocamos a areia de ontem
e no mar ensina o amor
um arrebatamento repetido
>Pablo Neruda<

sábado, 15 de dezembro de 2012

Daqui a 50 anos eu ainda vou saber seu nome e vou me lembrar de todas as vezes que você me fez sorrir. Na minha memória, tão congestionada - e no meu coração - tão cheio de marcas e poços - você ocupa um dos lugares mais bonitos.

>C.F.A<

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

The last day of November


 O tempo que não saia do lugar escuro de onde morava. Normalmente, olhava o sol, as cores nitidamente perfeitas de cada dia e desistia até de botar o pé para fora ou até mesmo de respirar o ar puro.
 Era assim todos os dias, não se importava em ser aquilo: "O escondido da vida" esperando o clima e a brisa perfeita.
 Em certa manhã de novembro, ouviu ao longe um som, suave e calmo que lhe pesava o coração. As palavras foram se formando dentro da alma, sentiu a necessidade que jamais voltara depois de todos os transtornos do passado, pegou um lápis qualquer da mesa de cabeceira, um papel jogado dentre os diários, e escreveu, quase que perfeitamente, o que aquele som lhe fazia sentir.
 E lá estava ele, novamente sentado no chão, cantando junto com a inspiração, tudo que sentia. De repente, veio a sensação de querer ver o dia, independe de como estava. Levantou-se, andou até a porta e abriu-a.    Respirou fundo e percebeu naquele instante, que a inspiração não lhe veio do nada, não era um dia ensolarado, nem cheio de cores. O som do instrumento aumentara naquele momento, fazia-lhe o coração bater como antes, fraco e dependente.
 O dia era cinzento, preto e branco combinando as sensações, os sentimentos, cada fraco batimento cardíaco. E da melodia, que vinha de dentro, o estado de espírito que esperava há muito tempo.
            E das ultimas palavras apreciando o céu, suspirou:  "Dezembro".
"Vim para te buscar desse abismo de desventura,
Salvar tua alma dos tolos de um mundo real
Vim acalmar-te sem compromisso
Quero-te comigo...
No meu mundo, no teu mundo...
Quero-te comigo sem obrigações, sem tortura.
Para viver, falar e sorrir...
Quero-te salvar do suicídio da vida,
Salvar-te da morte da alma sozinha.
Fazer-te o meu ar...
Quero cuidar das tuas melancolias
Fazer da tua dor, a minha
E não ir embora
Independente do que aconteça,
Esteja comigo,
Não importando o quão doido seja...

Será o nosso mundo
Sendo eterno enquanto durar. "

3 de setembro/ 30 de novembro ~

terça-feira, 27 de novembro de 2012

"And i've lost, who i am and i can't understand why my heart is so broken rejecting your love..."

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Aquela tarde de domingo


E naquela tarde, doce e confiável,  as palavras começaram a sair, e nada importava.
O desespero que havia sentido por dias, agonias em madrugadas e lagrimas sem sentido, havia sumido, e nada importava.
Encontrara o guardião que lhe sustentara, de repente o coração se entregou e ela o abraçou com força, cuidou e o fez parar de sangrar, e nada importava.
E apesar de todo o escuro que o rondava, de todas as crises, ela esteve ali, firme, forte de sorriso nos lábios, e de toda a alma aberta que lhe oferecera, das palavras tirou a sobrevivência, do aparecer tirou a calma, do olhar tirou o conforto e do sorriso tirou a felicidade e o amor incondicional que jamais sentira, e nada mais importava.

E quando as palavras cessaram, respirou fundo e agradeceu aos céus todos os dias a partir daquela tarde de domingo.
Everything is gonna be alright ... =')

sexta-feira, 23 de novembro de 2012



E enquanto o mundo está querendo destruí-lo,
Lutar é insuportável,
O que resta é extravasar suas forças aos céus,
 Sem medo,
Sem sentido nem motivo para parar,
Dançar?

"Sobreviver" talvez seja:
 Lutar
Crucificar-se por cada sentimento contido descoberto,
Por cada lança retirada do peito..
Por cada sorriso vazio com lágrimas escorrendo sobre a boca..

Mas, "Sobreviver", talvez seja também sentir que ainda há um sol brilhando ali fora e apenas... Respirar.

"I'll dance 
With my hands
Above my head
Like Jesus said

I'm gonna dance
With my hands above my head
Hands together forgive him before he's dead because

I won't cry for you
I won't crucify the things you do
I won't cry for you see
When you're gone I'll still be Bloody Mary"

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

"This morning is very melancholy for you, my friend, you're falling with the time, with things, but i'll do you survive."

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

The last latter


     Olá,
     Hoje contarei a verdade. Faz algum tempo que não lhe escrevo. Faz muito tempo que meus pensamentos não estão contigo, ah e meus sonhos não chegam perto do teu nome.
     As cartas foram poucas e suficientes para demonstrar algo que ainda restou, sei que mostrei, quando imaginava estar bem perto de ti muito depois do fim. E é incrível, estou quase um ano sem nem ao menos ler teu nome, sem ao menos saber sobre ti. A distância foi boa inimiga e amarga amiga. Foi amarga quando te afastou de mim, boa porque finalmente me fez te esquecer e não sofrer mais.
     A verdade é que, não me importa mais o que fazes. Sei que agora estou sendo ignorante, estúpida, insensível, mas isso tudo foi culpa tua, eu te culpo e jogo toda a minha raiva em cima da tua falta de sensibilidade no passado. Tu quiseste, sumiste, foste embora.
     Desculpe por estas palavras, mas para mim fez o máximo de sentido. Quando me deixaste, as batidas do meu coração me machucaram me levaram para o fundo do poço e à escuridão, tudo estava em tuas mãos para me salvar. Nem sequer olhaste. Mas agora, depois de tanto tempo levanto-me e digo que não te amo mais.
     Pergunto-me como chegou a isso? Acredite, para mim durou muito mais do que uma eternidade. Finalmente acabou, e eu não a amo mais. Precisava dizer isto, necessitava.
    E agora que estou curada de uma cegueira infinita, te digo a verdade... Tu és o fim dos amores mais monótonos e estúpidos que já tive.
Com pouca intensidade, não sentindo mais saudades...                                                                                                                 

11/08/2011







"We are all evil in some form or another, are we not? "












Richard Ramirez ~





terça-feira, 31 de julho de 2012

No meu mundo..

No mais estranho dos mundos..

tu conseguistes o impossível...

Afastar a minha pobre alma da tua...

sábado, 21 de julho de 2012

"E eu nem sonhava que um dia eu iria acordar assim de novo.. junto com musica.. vendo a porra toda ficar realmente séria."

sexta-feira, 20 de julho de 2012

E neste exato momento,
No meio da noite,
Te vejo fugir por entre os meus dedos...
E não é sonho,
É te ver indo embora um pouco mais a cada noite...
A cada conversa.
Não quero que vá
Eu realmente não quero que vá..
Mas não tem poder, nem querer
Continuas indo, pra longe,
Sem mim...

E isso, em poucas palavras, definem talvez o futuro.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

"Tuas mentiras se misturam com o meu obcecado jogo de quebra cabeça
E no rebolar dos transes e dos surtos
As mãos sangram de raiva..
Tudo vem a tona, endoidece,
Os olhos enchem de lágrimas, de mágoas então..
Finalmente chego a verdade.. e mais uma vez tu erras por bobagem"

sábado, 2 de junho de 2012

Saga ♪

Andei depressa para não rever meus passos
Por uma noite tão fugaz que eu nem senti
Tão lancinante, que ao olhar pra trás agora
Só me restam devaneios do que um dia eu vivi

Se eu soubesse que o amor é coisa aguda
Que tão brutal percorre início, meio e fim
Destrincha a alma, corta fundo na espinha
Inebria a garganta, fere a quem quiser ferir

Enquanto andava, maldizendo a poesia
Eu contei a história minha pr´uma noite que rompeu
Virou do avesso, e ao chegar a luz do dia
Tropecei em mais um verso sobre o que o tempo esqueceu

E nessa Saga venho com pedras e brasa
Venho com força, mas sem nunca me esquecer
Que era fácil se perder por entre sonhos
E deixar o coração sangrando até enlouquecer

E era de gozo, uma mentira, uma bobagem
Senti meu peito, atingido, se inflamar
E fui gostando do sabor daquela coisa
Viciando em cada verso que o amor veio trovar

Mas, de repente, uma farpa meio intrusa
Veio cegar minha emoção de suspirar
Se eu soubesse que o amor é coisa assim
Não pegava, não bebia, não deixava embebedar

E agora andando, encharcado de estrelas
Eu cantei a noite inteira pro meu peito sossegar
Me fiz tão forte quanto o escuro do infinito
E tão frágil quanto o brilho da manhã que eu vi chegar

E nessa Saga venho com pedras e brasa
Venho sorrindo, mas sem nunca me esquecer
Que era fácil se perder por entre sonhos
E deixar o coração sangrando até enlouquecer

~FelipeCatto~

sexta-feira, 1 de junho de 2012

If i could hold you one more time

Por muito tempo, ele esteve concertando a alma...
Por esse tempo esteve sem coração, sem febre, sem nenhuma sede de amar..
Resolveu então voltar para casa..

Estava preparado, de pé, equilibrado...
E tu esperavas por ele...
Ele desconfiou, lutou e não conseguiu segurar a emoção, a impulsão, ele te abraçou com os olhos cheio de medo..
O anjo chorou lágrimas que não havia chorado por muito tempo, as mesmas lágrimas de quando o tinha deixado jogado no chão, despedaçado no próprio sangue de ilusões.. Junto aos sonhos de te ter...

E lá estavas pronta para devolver-lhe o passado...

Olhou em teus olhos, a febre não voltou, não houve tristeza ou dor...
Mas sabia que o coração perdido voltaria a bater...
Nada era como antes, não se entregaria ou explodiria de felicidade.. Mas te seguraria se caísse, correria se fosses embora, não te deixaria chorar...
Ele te faria feliz independente do que sentisses...
Mas repito nada será como antes, pelo simples fato de saber que podes ir embora a qualquer momento...

E finalmente as palavras saíram da tua boca, como se lesses todos os pensamentos, como no passado, sem pena, sem dó de um coração que se recuperou:

"Ser equilibrado agora, não te poupará de quase nenhuma dor no futuro..."


"i can't do this without you.
if i could hold you one more time i'd never let you go.
i can't do this without you.
if i could tell you one more time, that i love you."♪

quarta-feira, 11 de abril de 2012

R

Musica de hoje: FOREVER- THE VERONICAS.

=)
dia de hoje: Nublado.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Rádio.

A música que veio a minha cabeça hoje foi YELLOW do COLDPLAY, é uma das bandas mais bonitas para mim. Essa paixão começou quando vi o show deles no Rock in Rio 2011. Umas das performances mais belas que já vi.
Nessa manhã tão bonita, me fez lembrar que eu ainda sinto muita falta de ar fresco...
"Your skin
Oh yeah, your skin and bones,
Turn into something beautiful,
Do you know?
You know I love you so,
You know I love you so"

PS: se quiserem escutar a musica da vez... é só ir ai do lado ->>>> =)))

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Há um rádio...

Sim... Começarei a postar as músicas que tocarem em minha mente antes mesmo de estar acordada, sim acredite, todos os dias tem músicas das mais diferentes que se juntam em melodia e trazem bandas até que não conheço direito.
Ontem foi o ultimo dia do festival Lollapalooza, a primeira edição aqui no Brasil. O segundo dia foi ainda melhor, com bandas que nem conhecia.
Algumas me chamaram tanta a atenção que hoje acordei com a música acordando-me em plena 6h30 da manhã.

A manhã foi dedicada à musica TIME TO PRETEND do MGMT.

"Forget about our mothers and our friends We're fated to pretend... "

quarta-feira, 4 de abril de 2012

When i wake up

''when I'm having a sweet dream, I don't know if I go to the floor or if I still stay in heaven.''

CGM

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Tempos difíceis

Meu lugar é lugar nenhum(neste momento).

sábado, 24 de março de 2012

Ron...

"Tanta gente vive em circunstâncias infelizes e, contudo, não toma a iniciativa de mudar sua situação porque está condicionada a uma vida de segurança, conformismo e conservadorismo, tudo isso que parece dar paz de espíri­to, mas na realidade nada é mais maléfico para o espírito aventureiro do homem que um futuro seguro. A coisa mais essencial do espírito vivo de um homem é sua paixão pela aventura. A alegria da vida vem de nossos encontros com novas experiências e, portanto, não há alegria maior que ter um horizonte sempre cambiante, cada dia com um novo e diferente Sol."


Trecho da carta enviada de Chris para Ron.

Do livro Na natureza selvagem de Jon Krakauer.

The Art of Write


Peguei algumas folhas para ler esta manhã bem cedinho. Li o diário mais recente que estou terminando de escrever. Antigamente ler um diário era como lamentar-me de tudo que eu era, de tudo que eu fui, de tudo que ainda posso ser, algum tipo de bobo da corte e hoje foi diferente.
Li cada pagina esperando algo errado, algo como todos os diários antigos, mas li com o maior orgulho de mim. Sinto que estou bem mais reflexiva e mil vezes mais madura do que antes. Uma adolescente tentando se entender desesperadamente. E no fim de cada página eu pensava: o que seria de mim se não escrevesse? Como sobreviveria?
Para mim, ficar sem escrever é abafar a alma, dar-lhe uma surra e sufocá-la até a morte. Quando começo com os movimentos da caneta é como se eu estivesse limpando toda a sujeira que insiste permanecer dentro de mim, limpo todo o peso, a desesperança, a melancolia, a raiva, tudo. Quando o momento mais aguardado chega, é como se eu fosse outra pessoa tentando sentir toda a harmonia do mundo dentro do corpo, da cabeça e do coração. Esse breve momento é o ponto final de cada dia vivido, chorado e gritado.
Como sou grata por realizar este ato tão lucrativo para vida...
Sinto-me bem.....

terça-feira, 13 de março de 2012

Resposta:

Eu sou apenas as consequências de tudo que um dia já passei...

segunda-feira, 12 de março de 2012

Querido diário virtual


E creio que neste momento só tenho algumas palavras para dar, e que não são minhas... E falam exatamente o que quero dizer... Aqui umas palavrinhas de Camões.

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o Mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía."

domingo, 11 de março de 2012

Some Nights


Estas certas noites que vem para sugar a alma,
Não sei se fujo,
Ou se me entrego,
Como naquele passado
Onde eu estava confuso,
Onde queria esquecer,
E não conhecer a vida.
Só queria estar ali,
Entregando-me à escuridão..
O que rasgava a alma
O que vinha atrás de mim
O que não procurava...
Vinha atrás de mim como uma resposta.
Queria não viver e nem estar ali..
Queria não estar fazendo nada,
Queria procurar nada
E carregar tudo em minhas costas
Estas são meras lembranças do passado que não quero esquecer.
Se não lembro e nem sinto,
Sinto-me vazia e procurando...
Porque já descobri,
Que felicidade não é tudo que quero,
Não é tudo que preciso para sair do lugar.
Estou concertando minhas asas para voar sobre o passado
Sentir tudo que tenho que sentir e voltar ao meu lugar
Isso tudo mostra de como sinto tua falta.
De como quero voltar ao teu lugar,
Onde tudo começou
Onde eu só vivia para sofrer por ti
E lhe digo meu anjo,
Como eu sinto saudades disso.

sexta-feira, 9 de março de 2012

De repente

De repente sentir um supiro chegando, o frio se espalhando,
é saudade de sentir?
é saudade de dizer?

De repente sentir que poderia ser eu novamente, aquele que tinha as asas quebradas para poder te segurar.
saudades de sentir uma alma perto da minha?
Sentir o calor do agrado de dormi sorrindo?

De repente me vejo parado em uma noite quieta e fria querendo dizer, bem devagar, as três palavras malditas.
De amar?
De ilusão?

Ali sem ter para onde ir, sinto frio e febre, minhas asas abaixam e sinto que agora, somente agora não posso voar para lugar nenhum porque meus olhos sangram pelo que um dia já vivi.
Tento manter-me forte para não querer voltar.
Para não cair, não querer estar deitada naquelas lágrimas..
Não desejar um dia escuro...
Fecho meus olhos..
E vejo seu rosto...

domingo, 26 de fevereiro de 2012

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Querido diário virtual

Não pretendo escrever agora, pois sei que serão as mesmas palavras. O que sinto passa a ser mais forte agora, depois de tanto tempo.
Esse desgosto escrito no peito não é tristeza, como doença contagiosa, é um principio de ódio. Estou tão cansado destas mesmas palavras escritas, cansado de lembrar de todos os meus surtos, cansado de me sentir mal ao ter duvida se fui ou não feliz ao teu lado.

O que mais me maltrata é: Se fui tão feliz e se sorrir tanto, porque de algum modo misterioso não quero lembrar de nada, escutar musicas de cada momento, nem de voltar ao teu tempo?

Quando olho para trás, vejo-me ali vivendo nada e aprendendo nada, entre quatro paredes e um sorriso cansado...
Eu consegui criar um bloqueio só pra ti, com todas as coisas que me fizeste, me disseste e com todos os machucados em carne viva, sangrei até não haver o que sangrar... E cada cicatriz eu abri para saber o que se passou.


Te desprezo por todos os teus atos,
Por todas as tuas duvidas,
Porque de mim já levaste tudo...
E hoje de mim não levas mais nada...

domingo, 29 de janeiro de 2012

EMPTY

Tudo continua vazio, não sei o que acontece, sinto uma vastidão de sentimentos me arrastando junto com todas as vozes jogadas para trás. Não sei se é amor, se é ódio, se são saudades e continua vazio.
Algo aperta o peito até querer gritar, até querer extravasar, até se encharcar de lágrimas inexistentes, indesejáveis, confusas. Talvez, um dia, tentarei entender, responder de forma mais clara tudo que acontece com essa alma que padece de sentimentos do nada, que só a música, somente a música traz de volta. Não são pessoas, não são visões, nem mesmo leituras, mas cantorias, melodias que me fazem facilmente voltar à tempestade de tempos que jamais voltarão.
Aos tempos de esquecimento.
De querer estar perto.
Sentir o coração palpitar o nome.
De saber onde está.
Sofrer. Gritar. Cantar.
Simplesmente, sentir...
Tudo em mim sente falta, grita, dói. Há algo faltando, sem nome...
Talvez eu sinta falta de tudo que fui. De tudo que quis ser e sentir.
Do começo ao fim...
Sinto falta de tudo que me levou à bruta queda de amar.
Do simples trio fraterno que se separou tragicamente.
Da calma inesgotável de uma bela canção.
Prazer de sofrer.
Prazer de sorrir.
Ter alguém, ninguém.
Confortáveis madrugadas entre eu e minhas tristezas.
Destruição sonolenta.
Da febre. Do frio.
Loucura.
Crises, surtos.
Talvez eu seja, hoje, o buraco vazio não sabendo lidar com a necessidade de sentir, de tudo, mais um pouco.

You never know me..
So...
Let me die alone...

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Me afundando completamente no som de Three Days Grace!

sábado, 7 de janeiro de 2012

Querido diário virtual

Depois disso tudo, acho difícil voltar para a cidade em que eu estava... Você, que é você, nunca aprenderá com isso. Quando se tenta ajudar alguém, esse mesmo alguém vai lá e acaba contigo só para ter o coração vazio de desabafos.

Quando se tenta ajudar duas almas que são tudo pra ti, nunca, mas NUNCA ajude nenhuma delas, tu acaba como horripilante conselheira, não confiante, a cagada de toda a história.

Hoje aprendi isso... apesar da situação acabar contigo... morra aflito, mas nunca levante uma palavra para confortar um deles. xD

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Alguém importante disse...

E se não der certo na quarta-feira, não culpe o mundo pelos erros que são seus, assuma o peso da responsabilidade de não ter feito a coisa certa e evite prometer ou fazer promessas que não é capaz de cumprir. Nós somos fruto das atitudes que tomamos, a nossa vitória ou a nossa derrota é o resultado das nossas atitudes. Não culpe o mundo. Se houver um erro dedique a perda a você. DESDE MUITO CEDO NÓS APRENDEMOS O CAMINHO PARA O SUCESSO, CONTAR COM A SORTE É O PRIMEIRO PASSO DADO POR AQUELES QUE NÃO BUSCARAM VERDADEIRAMENTE REALIZAR O QUE PRETENDIAM!


Joana Vieira- Professora do impacto e uma das professoras que mais me fizeram sorrir e ter coragem de enfrentar um bando de coisas. Um dos sorrisos mais bonitos também xD
-Mais uma vez as palavras dessa mulher me emocionaram profundamente!-

domingo, 1 de janeiro de 2012