Querido diário virtual

Pela primeira vez vi a luz que jamais vi. Eu sei que a maioria das vezes eu não dei tanta atenção, nem mesmo vi o que estava de tão linda à minha vista. A maioria das vezes estou cega, gosto de estar cega, e não quero ninguém ao meu lado.

Dou mais atenção ao lado inverso do coração do que a parte mais bondosa e aquecedora dele. Sinto hoje, como se a capa bondoza que sempre existiu, baixou a guarda cair, quebrou o bloqueio que tinha comigo. Apesar de amanhã ou qualquer dia desses eu vá criá-lo novamente. Mas hoje, somente hoje, senti o conforto de estar alí, pela primeira vez junto de grandes pessoas.

Pessoas como eu, são assim. Bloqueadoras de sentimentos, o que está a frente dos olhos é que não se importam, mas lá no fundo, nem que seja o pedaço mais escodido da alma, existe um amor tão inagualável e forte. O nome que apesar que algumas pessoas estranharem, este nome hoje, faz sentido pleno para mim, sentido que jamais fizera antes... O nome disso é: Familia.

Se eu morresse agora, morreria sorrindo com o conforto de pessoas que fariam tudo por mim.
E a vocês, família, dedico os sorrisos verdadeiros, as desculpas de não mostrar a importância. Eu os amo como ninguém é capaz de decifrar, os amo com toda a força da alma, hoje vocês estão no topo da minha monstruosa montanha russa chamada vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Querido diário virtual

Carta jogada ao vento

Querido diário virtual