segunda-feira, 23 de maio de 2011

O tempo que passa

Já se passaram cinco meses... Cinco meses me lamentando, tentando entender o que nunca nem mesmo chegarei perto de entender...
Se isso é tão complexo, como entender o tempo que passa que lentamente vai quebrando toda a eternidade que criamos e decidimos criar, o que era pra ser um amigo que nunca deixa a gente, que sempre ajuda a superar. É claro ele é assim... O tempo ao mesmo tempo é inimigo, aquele que começa te acabando e termina deixando a distância de um momento pro outro...
Entender todas essas palavras jogadas ao vento, é saber o que se passa dentro dessa alma atordoada, de dia em dia com lágrima nos olhos procurando no vazio uma alma amiga que nunca te deixaria. Com o peito apertado de tanto tentar entender o que passou, te deixa jogado ao vento como uma folha livre. Como entender?
Eu gostaria de escrever uma pequena carta. Dizendo o que sinto... O que deixei de sentir... Tudo... Mas não... Pelo simples fato de que um tempo tão bom tão perfeito e tão bonito chegou a não mais valer a pena...
Alguém.. Esse alguém... Ah, o alguém...
Se eu soubesse no passado que tudo iria acabar assim, mesmo assim, eu não teria evitado um só passo. Ensinou-me andar por um caminho de fantasias, de amor de compreensão, se isso parece um amor como outro qualquer, não. Não é.
Um amor que soube chegar devastando com todas as dores, ficou pra eliminar as mágoas, e foi embora dizendo que deixaria muitas saudades. Mesmo do jeito de dizer que já foi, quando olhei pro horizonte, e a vi indo embora, algo gritava dentro de mim que nada seria o mesmo, se era pra sempre ou não, nunca foi explicado... Só sei que depois de cinco meses e nove dias, ela volta... Se for pra ficar? Só o tempo pra dar uma resposta que sempre esperei...
Esse foi um dos amores mais lindos que já tive. Apesar de tudo, a alma que por tanto tempo deixou de brilhar, volta com a imensidão das noites em claro, clamando tudo se que passou, e que há muita coisa pra aprender...
Se senti saudade? Senti, senti corroendo minhas veias, pois tudo que senti, chorei, falei foi de longe o mais verdadeiro...

Nenhum comentário:

Postar um comentário