O que não vai voltar



Chegou o momento de dizer adeus a todas as coisas materiais, a cada palavra repetida dentro de caixas empoeiradas, de lágrima deixada. Lá estava eu, sentado a frente das lembranças, questionando, argumentando, o porquê de elas me deixarem pra trás, já que eu nunca as deixei...

O tempo mudava...

Estava pronto. Cada segundo que passava, eu estava mais decidido a me livrar de todos aqueles sentimentos, perdidos ou não, o que importava? Se agora a água da chuva iria levá-los para bem longe de mim. Esforçarei-me tanto para não me lembrar de nada. Agora o objetivo seria seguir.
A noite não estava limpa, o que lembrava aquele tempo que passava escrevendo todas as poesias, na madrugada, só eu e o silêncio, e colocava ao meu lado o que se passara, ou que sentia, principalmente o que mais perturbava. Coisas simples da vida que me inspiravam e eu corria para escrever...

E eu continuava tão decidido...

No meio de tantos papeis, encontrei uma carta que escrevi anos atrás e dizia que torcia por mim mesmo... Ah, lágrimas...
Só que a vida mudou, eu estou bem e gostaria de dizer isso ao garoto que estava sentado na cama com o coração apertado escrevendo pra mim...
E hoje, olhando para trás, jogo as primeiras folhas ao vento... Estou aqui vendo a força da água finalmente levar o que sempre quis proteger, o que nunca quis me livrar... É o dia de ver os objetos, os cadernos, as confissões, os surtos, o que nunca soltei da minha boca... Se distanciando de mim.

Finalmente tudo vai embora... E meu coração grita para que volte... É torturante... É parte de mim...

Estou abrindo os olhos... Nenhuma água leva e a chuva ainda não veio.

Comentários

  1. É como ter quer ficar em um lugar pra sempre que você não quer

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Querido diário virtual

Notória lembrança

Carta jogada ao vento