quarta-feira, 15 de setembro de 2010

My word

Tem noites em que tudo desaba. Como se estivéssemos em um mundo irreal, ou a beira de um precipício sem notar o fundo deste. Tem noites que o sentimento chega de surpresa, dizendo um grande ' Olá'. Mas se o sentimento fosse ruim eu o expulsaria, mas não é tão ruim assim.

Algum tempo atrás, neste exato momento eu estaria sorrindo. Como posso dizer... Sinto-me perdida agora, são momentos como esse que sinto o amor arder em meu peito, sinto a solidão batendo na porta para ir embora, e a saudade brigando para entrar. Em um mundo tão surreal como o meu, todos existem de uma forma neutra, talvez, eu só quisesse uma presença, mas não a sinto.

Por tudo que existe jamais imaginei querer ver o amor tão de perto assim, é um tipo de anestesia que todos deveriam ter, essa droga chamada amor, tem tantas vantagens, como se o mundo real não existisse de modo algum, só o nosso mundo existe, só a quentura do peito nos deixa tão desengonçados, só o sorriso verdadeiro vale, tudo se torna lindo, como se caíssemos num poço e saíssemos com muitos machucados, mas não importa. É um tipo de anestesia que não queria necessitar tanto.

Meu mundo é como um paradoxo, que vive com o ópio viajando pelos céus. Meu mundo acaba ficando no meio do caminho, entre o real e o sonho, entre a verdade e a alucinação. Meu mundo já não é tão macabro nem escuro. Ele se sente em paz agora, tem um mar cheio de rabiscos, há um céu com pequenas manchas cinzentas, há neve, há chuva e há bipolaridade. É meu sonho e meu refugio. Meu mundo não é minha vida, mas é o lugar que permaneço, onde mantêm a esperança...

Meu mundo é só meu...


Paula Borges 2010-08-29 domingo 21:30

Um comentário: