terça-feira, 14 de abril de 2009

O anjo que nada sentia, caiu em seu próprio abismo...


A lua coberta de nevoas, o céu vermelho demonstrando que a chuva chegava. Sentia frio, sentia rasgando sua pele. Não, ele não quebrou as asas, apenas não queria voar, pois o que amava acabara de cair por um momento.
Sua felicidade permanecia ausente já por muito tempo.Sorria friamente, mas verdadeiramente. Estava cego, gostava tanto a ponto de amar tudo o que aquele anjo fazia... Não, mas amar? Não poderia mais! Acabara de sofrer por tanto tempo por algo que nada valia.
Uma nova ferida estava se formando.
Ele não poderia deixá-la ali caída, perto de laminas finas e uma estaca apenas para acabar o que começara. Não poderia deixá-la morrer. Nada o faria voar... o sangue escorrendo de ambos os corpos, abraçado ao corpo do anjo, os últimos sussurros do anjo pairavam ali. Enquanto gritava ninguém o podia ouvir.
“Por favor, não me deixe.”
Suas lágrimas escorriam pelo rosto já manchado de sangue...
“Suas lágrimas nunca foram vãs”
Sussurrava o anjo...
Ele era o único de pé. Salvando o que não queria perder. Embora se sacrificasse, seu maior desejo era não deixá-la ir. Tudo que passara, com lagrimas e com sangue, todo seu sofrimento, ao abraçá-la sentia toda sua dor, pois ela era seu estado de espírito.
Simplesmente não estava pronto... Não estava pronto para vê-la partir
E ela com os olhos se fechando... Ele suplicava... Chorando...
“Por favor, não se vá meu anjo. Não morra. Não me deixe, eu preciso de ti.”
Ultimas palavras do anjo...
“Não te deixarei, eu voltarei e te buscarei. Guarde-me em teu coração. Sempre”
Disse ela sorrindo...
E fechou seus olhos em um sereno e profundo sono. Mas seu maldito coração ainda batia lentamente.
09/04/09

Nenhum comentário:

Postar um comentário